Comércio Brasil-China deve superar USS$ 35 bi em 2010

O comércio bilateral Brasil-China deve superar os US$ 35 bilhões em 2010, afirmou hoje o diretor-geral de comércio exterior do Ministério de Comércio da China, Li Ming Lin, que participou da inauguração do China Trade Center, em São Paulo. Segundo o executivo, somente neste ano as trocas comerciais atingirão US$ 12 bilhões, contra US$ 7,9 bilhões em 2003, sendo que boa parte desse crescimento reflete a viagem que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez ao país no início do ano. Os chineses acreditam que a visita do líder chinês, Hu Jintao, nesta semana ao Brasil, estimulará ainda mais os negócios. O secretário de Comércio Exterior, Ivan Ramalho, que também participou da inauguração do China Trade Center, foi mais modesto e disse que o comércio bilateral deve ultrapassar os US$ 9 bilhões neste ano. Ele disse que o governo brasileiro está empenhado em diversificar a pauta de exportações para a China, concentrada em soja e minério de ferro. A China é, hoje, o terceiro maior parceiro comercial do Brasil, mas as vendas externas do País aos chineses correspondem apenas a 1% de tudo o que a China compra mundialmente - cerca de US$ 450 bilhões ao ano. "Há muito espaço para crescer", disse. Edifício O China Trade Center, um edifício de 11 andares em estilo chinês (com réplicas de dragões e da Muralha da China na entrada) na rua Pamplona, em São Paulo, abriga a partir desta quinta-feira o escritório de representação comercial da China em São Paulo. A entidade vai ocupar três andares do prédio. Na avaliação de Ramalho, a iniciativa de criar o China Trade Center é prova do forte interesse do setor privado nos investimentos dos dois países. O Ministério de Comércio da China também organiza, entre os dias 16 e 18 de novembro, em São Paulo, a Exposição de Produtos e Tecnologia da China - 2004, maior feira de empresas chinesas já realizadas no País. A feira reunirá 100 expositores, entre eles as 50 das maiores empresas chinesas. O objetivo é promover os produtos chineses no Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.