Comércio critica alta dos juros e aponta prejuízo para economia

Em nota oficial, a Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP) considerou o novo aumento da Selic, a taxa básica de juros da economia, "um fator extremamente prejudicial aos projetos de investimento e ao crescimento da economia neste ano".O presidente da entidade, Abram Szajman, advertiu que "continuar aumentando os juros para trazer a inflação para 5,1% - meta de inflação definida pelo BC - ainda em 2005 pode custar um número elevado de empregos e uma redução indesejável na taxa de crescimento do país, o que é um preço muito alto para um prêmio relativamente pequeno".Para a Fecomércio-SP, a alta da Selic não seria mais necessária porque já é possível perceber a redução no nível de investimentos e a desaceleração nas atividades de alguns setores, como o comércio. Na avaliação da entidade, são as tarifas administradas, tais como a passagem de ônibus, por exemplo, que vêm pressionando as recentes altas dos indicadores semanais de preços, e sobre elas, o aumento da Selic não tem efeito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.