Comércio dá sinais de esgotamento do ciclo de crédito

O técnico do departamento de comércio do IBGE, Nilo Lopes, disse hoje que a desaceleração no aumento das vendas do setor desde julho - na comparação com igual mês do ano anterior - é resultado especialmente dos sinais de esgotamento do ciclo do crédito, já que, segundo ele, as famílias têm um limite de endividamento. O crescimento de 6,44% registrado nas vendas em novembro ante igual mês de 2003 representou a menor variação desde fevereiro de 2004. A partir de março do ano passado, o setor passou a registrar crescimentos de dois dígitos até julho, quando a magnitude dos aumentos passou a diminuir gradualmente. "A partir de agora, com melhoria da renda e do emprego, o setor poderá registrar taxas mais baixas, mas com uma durabilidade maior, porque esses estímulos têm uma base mais estável do que o crédito. O estímulo da renda e do emprego pode perdurar a longo prazo, mesmo que os crescimento das vendas tenha ritmo mais lento", disse Lopes. Segundo ele, a desaceleração em novembro ante a variação registrada em outubro (8,39%) ocorreu especialmente por causa da base de comparação mais elevada. Móveis e eletrodomésticosO segmento de móveis e eletrodomésticos, que puxou as vendas do comércio varejista até novembro de 2004, acumulou em 11 meses do ano passado aumento de 26,95%, revertendo de forma significativa as quedas acumuladas registradas em três anos anteriores: 2001 (-1,28%); 2002 (-0,60%) e 2003 (-0,87%). Para o técnico Nilo Lopes, apesar de o segmento ter sido o "grande destaque" do varejo em 2004, está ocorrendo uma desaceleração no ritmo de crescimento das vendas, que chegou ao ápice de 36,25% em junho ante junho de 2003 e depois retraiu gradativamente.Em novembro, o crescimento foi de 22,44% ante igual mês de 2003. Para Lopes, essa desaceleração "deixa claro o limite do crédito" como estímulo às vendas do varejo. Além do crédito, ele cita a demanda reprimida de anos anteriores e os vários lançamentos de produtos e inovações como justificativa para o ótimo desempenho de móveis e eletrodomésticos no ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.