Comércio demite mesmo com proximidade do Natal

As demissões de empregados do comércio da cidade de São Paulo cresceram 30,7% entre os meses de janeiro e outubro deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Só no mês passado foram feitas 5.263 homologações no sindicato da categoria, depois de outras 5.266 em setembro. No acumulado do ano, as empresas do setor já desligaram 44.524 funcionários. Os números se referem apenas à demissão de comerciários que trabalhavam há mais de um ano na mesma empresa, pois é obrigatória a homologação no sindicato. Mas não podem ser usados como indicadores dos empregos do setor, pois não é conhecido o volume de admissões.Os números, de qualquer forma, surpreenderam os dirigentes do Sindicato dos Comerciários de São Paulo. Isso porque, nesta época do ano, as demissões costumam cessar e começam as contratações de temporários, que também são em menor número em relação a 2002. Para o presidente do Sindicato, Ricardo Patah, os dados reafirmam o cenário de estagnação econômica.ExpectativaA expectativa é de que os estímulos que vêm sendo dados pelo governo ao crédito, seja a linha de financiamento para eletrônicos, o microcrédito ou os empréstimos com desconto na folha de pagamento, sirvam para aquecer as vendas neste final de ano e ajudar a manter os quadros de pessoal das empresas. "Mais vendas no comércio pode significar aumento ou pelo menos a manutenção dos empregos no setor", disse Patah.

Agencia Estado,

08 de novembro de 2003 | 18h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.