Comércio deve ter novo crescimento em março, diz IBGE

O gerente da Pesquisa Mensal de Comércio do IBGE, Nilo Lopes, disse que é provável que as vendas do varejo registrem novamente crescimento em março, por causa da base de comparação bastante reprimida de março do ano passado, quando o setor apresentou a maior queda nas vendas (-11,35%) da série histórica da pesquisa, iniciada em janeiro de 2001. Em fevereiro, conforme divulgado hoje, houve aumento de 5,11% nas vendas ante igual mês de 2003. Segundo Lopes, esse crescimento também foi fortemente influenciado pela base de comparação de fevereiro do ano passado. Apesar disso, ele afirmou que "independente da base de comparação há um movimento favorável do comércio, porque está ocorrendo alguma recuperação do rendimento. Há um quadro econômico realmente bem melhor do que no ano passado, que está favorecendo o setor. Mas é uma recuperação suave, pois o comércio ainda não recuperou as perdas acumuladas a partir de 2002".As vendas de móveis e eletrodomésticos (16,35%); supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (4,98%) e combustíveis e lubrificantes (6,19%) puxaram para cima o desempenho do comércio em fevereiro, segundo destacou o gerente da Pesquisa Mensal de Comércio do IBGE, Nilo Lopes. Ele sublinhou que o segmento supermercadista tem peso em torno de 40% da pesquisa. Segundo Lopes, esse segmento está sendo beneficiado pela base de comparação deprimida do ano passado e pela melhoria no quadro econômico e na confiança dos consumidores neste início de ano. No caso dos eletrodomésticos, o varejo continua sendo impulsionado pela melhoria das condições de crédito a partir do segundo semestre do ano passado. Os combustíveis, segundo Lopes, começam a recuperar as vendas sob efeito da queda dos preços (houve variação de -13% na inflação dos combustíveis medida pelo IPCA em 12 meses até fevereiro, segundo Lopes), após amargar uma redução nas vendas em quase todo o ano de 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.