Comércio do RJ espera Dia dos Pais melhor neste ano

O Dia dos Pais deste ano deve ser bem melhor do que o de 2003, na região metropolitana do Rio de Janeiro, mas os consumidores vão deixar suas compras para a última hora. A avaliação foi divulgada pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ), com base nos dados de sua pesquisa sobre a tema.A análise ouviu 827 consumidores na Região Metropolitana do Rio. Dos entrevistados, 53,57% disseram que pretendem presentear alguém na data, ante 51,31% em 2003. Poré, apenas 14% já tinham feito suas compras no dia em que a pesquisa foi realizada (28 de julho). Os presentes mais citados foram roupas (47,40%), calçados (6,77%), telefone celular (5,42%), CDs (4,97%) e perfumes (4,74%).A Federação informou ainda que, do total de pesquisados, 29,57% vão fazer gastos superiores aos de 2003. O gasto médio deve ficar em R$ 63,15 em relação aos R$ 47,92 de 2003, sendo que a maioria dos entrevistados (65,11% do total) informou que planeja gastar até R$ 50,00. De acordo com a Fecomércio-RJ, o gasto médio é o maior dos últimos três anos, "principalmente em função da procura por celulares".A instituição informou também que, mesmo com gastos maiores do que no ano passado, 77, 43% dos entrevistados disseram que vão pagar à vista, sendo 67,83% em dinheiro e 20,58% por meio de cartão de débito. Dentro da parcela dos que afirmaram que vão parcelar os gastos (19,19% do total de entrevistados), 89,66% pretendem usar cartões de crédito.Em comunicado, o superintendente da Fecomércio-RJ, José Sette, esclareceu ainda que "os setores envolvidos com o Dia dos Pais devem aumentar o faturamento em 27,31%, em média. Chegamos a esse porcentual levando em conta tanto o aumento na intenção de presentear quanto no valor do presente, descontada a inflação".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.