Comércio do RJ registra queda de 7,07% no faturamento

O faturamento real do comércio no Estado do Rio caiu 7,07% em junho contra igual mês do ano passado, segundo a Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ). O tamanho da queda no faturamento, no entanto, vem se reduzindo na comparação de um mês contra o mesmo mês de 2002 depois de ter atingido 11,88% em março contra igual período do ano passado. "Trata-se da sexta (queda) consecutiva. Mas como em dezembro de 2002 o resultado foi praticamente estável (alta de 0,01%), pode-se dizer que desde agosto do ano passado, quando houve alta de 0,74%, o comércio fluminense não consegue resultados positivos", disse o coordenador do Núcleo Econômico da Fecomércio-RJ, Luís Otávio de Souza Leal, em nota à imprensa. No acumulado do ano, a queda é de 7,19%, em relação aos primeiros seis meses de 2002. Todos os grupos tiveram queda em relação ao mesmo mês do ano anterior, mas dois dos setores mais atingidos, Bens Duráveis e Bens Semi-Duráveis, melhoraram o desempenho em relação a maio. Em Bens Duráveis a diminuição da intensidade da queda foi de 11,52% em (maio de 2003/maio de 2002) para 6,78% em (junho de 2003/junho 2002). Com os Bens Semiduráveis, a redução foi de uma queda de 20,84% em maio para uma de 7,99% em junho. "Como não houve nenhuma alteração expressiva nas condições que vinham deteriorando os resultados desses setores, só podemos atribuir esse resultado à base estatística baixa nesse período do ano passado", diz Souza Leal. O destaque de queda foi o setor de Comércio Automotivo, com uma retração de 21,24% com relação a junho de 2002. A estimativa feita pelo Instituto Fecomércio-RJ é feita com base em um convênio com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que permite o cruzamento dos dados obtidos pelas duas instituições.

Agencia Estado,

14 Julho 2003 | 14h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.