Comércio entre Brasil e Argentina deve somar US$ 30 bi

As relações comerciais entre o Brasil e a Argentina devem atingir mais de US$ 30 bilhões neste ano, afirmou o Ministro de Relações Exteriores e Comércio Internacional da República da Argentina, Jorge Taiana. Para atingir este objetivo, reuniram-se hoje, em São Paulo, representantes do governo argentino, liderados por Taiana, governadores de duas províncias e mais de 100 empresários num encontro empresarial na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).A união de esforços entre os setores público e privado argentinos, porém, vai além do incremento comercial, já que passa ainda pela redução do déficit comercial que o país vizinho apresenta com o Brasil, que no ano passado cresceu 14,9%, para US$ 4,178 bilhões. "Estamos trazendo empresas argentinas para que conheçam melhor o mercado brasileiro", disse Taiana. Segundo ele, mais de 400 encontros de negócios devem ocorrer durante a missão comercial, que ainda desembarca nesta semana em Belo Horizonte.O ministro destacou que o déficit comercial argentino com o Brasil é composto principalmente por produtos manufaturados, que no ano passado totalizou US$ 7,082 bilhões. "Aí, temos um ponto para trabalhar", explicou, ao se referir ao acordo automotivo entre os dois países, que expira em 30 de junho, e prevê que para cada US$ 100 exportados pelo Brasil os argentinos podem importar até US$ 195 sem pagar Imposto de Importação.Taiana salientou, contudo, que a integração comercial com os brasileiros é "estratégica" para a Argentina. "O Brasil é o principal destino das exportações argentinas e origem importante das importações. Uma aliança com o Brasil é estratégica tanto no plano bilateral quanto regional", ressalta, acrescentando que a "integração é fundamental para impulsionar o Mercosul".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.