Comércio exterior registra queda de 18% no ano

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Comércio exterior registra queda de 18% no ano

Exportações e importações de janeiro a maio somam US$ 151,7 bi; recuo tão forte nesse período não era visto desde 2009

Luiz Guilherme Gerbelli, O Estado de S. Paulo

06 de junho de 2015 | 05h00

O comércio exterior brasileiro está sentindo os reflexos da desaceleração econômica. Nos cinco primeiros meses deste ano, a corrente de comércio do País foi de US$ 151,7 bilhões, uma queda de 18% na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

 A corrente de comércio é calculada com base na soma das exportações e importações e pode ser um termômetro do desempenho da economia. No ano passado, a corrente apresentou um leve recuo, mas uma retração tão forte não era registrada nesse período desde 2009, quando a economia mundial sofria os abalos da crise internacional. Entre janeiro e maio daquele ano, a queda foi de 25% ante o mesmo período de 2008.

“O que gera atividade econômica é a corrente de comércio. Quanto mais um país exporta ou importa, mais ele tende a gerar atividade econômica”, afirma José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). “A corrente de comércio precisa crescer, mas no Brasil, nos últimos anos, está ocorrendo exatamente o inverso”, diz.

Nos cinco primeiro meses de 2015, as importações recuaram 18,1%. Uma boa parte dessa queda pode ser atribuída à recessão, que faz o País demandar menos produtos do exterior. A desaceleração brasileira ficou evidente no primeiro trimestre, quando o Produto Interno Bruto (PIB) recuou 0,2% na comparação com o último trimestre de 2014. Para o ano, os economistas consultados pelo relatório Focus, do Banco Central, esperam uma retração de 1,27%. 

“A demanda brasileira é menor por causa da atividade mais fraca e da renda crescendo menos”, afirma Bruno Lavieri, economista da Tendências Consultoria Integrada. “Nesse cenário há ainda o novo patamar do câmbio como agravante”, diz. 

No lado das exportações, a queda foi de 16,2%. A balança comercial brasileira tem sido afetada pela retração dos preços das commodities no mercado internacional por causa da expectativa de menor crescimento da economia chinesa, grande compradora de produtos básicos. 

A pauta brasileira é extremamente dependente da venda de produtos básicos. Nos primeiros cinco meses desse ano, por exemplo, eles responderam por 46,2% do total vendido. 

“Houve uma retração muito forte no preço de alguns produtos básicos. Pelo fato de o Brasil ter se aprofundado nessa dependência, se torna mais vulnerável numa situação de queda de preço das commodities”, afirma Lavieri.

A retração de preços dos produtos básicos se agrava porque ela não é compensada pelos manufaturados, mesmo com o novo patamar do câmbio. A indústria brasileira ainda se recente da falta de competitividade agravada nos últimos anos e da perda de mercado internacional. 

“O Brasil precisa voltar a exportar manufaturados, mas para isso é preciso fazer as reformas estruturais, como a tributária, trabalhista e previdenciária. O investimento em infraestrutura também é fundamental para reduzir o custo”, afirma Castro, da AEB.

Economia fechada. A queda na corrente de comércio também sinaliza que a economia brasileira tem se fechado para o comércio mundial. Os dados da Organização Mundial do Comércio (OMC) compilados pela AEB mostram que economias com grau parecidos de desenvolvimento tem uma corrente de comércio muito maior. Em 2014, a corrente de comércio do México foi de US$ 810 bilhões, enquanto a do Brasil ficou em US$ 454 bilhões. 

“Entre os principais países exportadores, o Brasil é um dos únicos que tem uma forte queda na corrente de comércio”, diz Castro. Para este ano, a estimativa da AEB é que a corrente de comércio fique entre US$ 390 bilhões e US$ 395 bilhões.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.