Comércio no aeroporto cresce

O comércio do Aeroporto Internacional de Guarulhos fatura cerca de R$ 300 milhões ao ano. Somente neste aeroporto, o maior do País, existem 160 estabelecimentos comerciais, disputando um público aproximado de 120 mil consumidores potenciais ao dia - entre passageiros, acompanhantes, visitantes e 27 mil funcionários. Um estudo da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) demonstra que cada passageiro que viaja perde pelo menos duas horas nos corredores do aeroporto, sem ter o que fazer. Fora as conexões e os atrasos. Em caso de conexão, eles chegam a ficar cinco horas vagando pelo local. "O aeroporto é um shopping center onde pousam aviões", define Tércio Ivan de Barros, superintendente da Infraero. Ninguém duvida. No maior aeroporto do País tem de tudo. Até uma ala batizada de "Rua Oscar Freire", entre os terminais de embarque A e B, onde se encontram grifes de luxo como a francesa Lacoste e a joalheria H.Stern. No piso térreo, há cafés, lojas e floriculturas. No superior ficam os bares, restaurantes, livrarias, lanchonetes, tabacarias, joalherias, centro de convenções e mais lojas, que vendem desde rendas nordestinas a roupas, perfumes e bugigangas tecnológicas. E, o mezanino, último piso, é a área de serviços. Lá o passageiro-consumidor pode encontrar desde correio e bancos a barbeiro e massagistas.SucessoUm dos maiores casos de sucesso em aeroportos é a rede de cosméticos O Boticário. Com mais de 1.800 lojas distribuídas pelo País, a rede começou com uma unidade no aeroporto de Curitiba, Paraná. Além das vantagens de movimento constante que os aeroportos oferecem, O Boticário calcula outro benefício: "Os passageiros compravam nossos produtos para dar de presente em outros Estados, divulgando a marca e facilitando a expansão", afirma um dos executivos da empresa.VizinhançaE não só nos corredores lotados é que estão grandes negócios. Prova disso é o Hotel Deville, que fica na avenida de acesso ao Aeroporto de Guarulhos. Mais de 50% de sua ocupação vem do aeroporto. Outra boa parte do movimento é dedicada a eventos e convenções, que também ocorrem graças ao aeroporto. Fundado em 1993, com 208 quartos, o hotel já passou por uma reforma e hoje tem 380 apartamentos. Agora, o Deville ganha seu primeiro concorrente. Com mais 380 quartos, está em construção o Hotel do Aeroporto. Segundo a Infraero, a demanda é tanta que comportaria outros dois hotéis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.