Comércio online avança de forma mais rentável

O dado que merece mais destaque é o aumento do gasto ou tíquete médio do consumidor que vinha caindo, mas se recuperou na primeira metade de 2017

O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2017 | 03h00

O comércio eletrônico no País tem passado ao largo da crise econômica. Nos últimos anos vem registrando crescimento robusto. A tendência se manteve no primeiro semestre deste ano, quando as vendas online foram de R$ 21 bilhões. Esse valor é 7,5% maior do que o registrado no mesmo período de 2016, segundo o relatório Webshoppers, da Ebit. O dado que merece mais destaque é o aumento do gasto ou tíquete médio do consumidor que vinha caindo, mas se recuperou na primeira metade de 2017, indo para R$ 418, com aumento 3,5%. Também cresceu o número de pedidos que alcançaram 50,3 milhões no período considerado (aumento de 3,9%), o que evidencia mais confiança da massa dos consumidores quanto à evolução da economia.

Outra mudança significativa é a menor oferta de frete gratuito, promoção que vinha sendo muito utilizada para alavancar as vendas em uma fase de retração do consumo em geral. A cobrança do frete havia se reduzido bastante, tendo chegado a 43% do total de vendas em 2015, para evitar queixas por parte do consumidor.

Agora, o ambiente permite que essa oferta diminua lentamente. Já está em 18% nas operações das maiores empresas da área, o menor nível da série histórica, iniciada em 2001. Esse tipo de promoção é mais comumente oferecido por empresas de pequeno porte. Na média, 38% do total das vendas do setor é hoje realizada sem cobrança de frete.

Observa-se também que a participação das vendas à vista teve um crescimento substancial, representando 48,2% do total do faturamento no primeiro semestre. Tais operações beneficiam o consumidor, pois são feitas frequentemente com desconto, mesmo se o pagamento for feito com cartões, mas também ajudam as empresas amenizando dificuldades de capital de giro.

Essas características contribuem para melhorar a rentabilidade dos milhares de empresas que atuam no e-commerce em todas as regiões do País. O movimento, no entanto, é concentrado nas grandes do setor, que respondem por 60% do total das vendas.

A expectativa do segmento é de que as vendas aumentem no segundo semestre, especialmente no período que antecede o Natal. O setor projeta fechar o ano com faturamento 10% superior ao de 2016 em termos nominais, mesmo com preços menores em decorrência da queda da inflação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.