Comércio pede mudanças na MP da Cofins

As federações do comércio do Rio de Janeiro e de São Paulo divulgaram notas nesta terça-feira exigindo mudanças na medida provisória que acabou com a cumulatividade e aumentou a alíquota da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) de 3% para 7,6%.A Fecomércio-RJ diz que o fim da cumulatividade da Cofins era um pleito antigo de todo o setor produtivo, mas, ao tentar racionalizar a carga tributária para alguns setores, o governo acaba prejudicando outros. De acordo com a nota, a mudança poderá provocar um aumento de tributação de mais de 150%, dependendo do setor.A Fecomercio-SP pediu ao Ministério da Fazenda que seja lançada uma medida complementar que permita às empresas prestadoras de serviços deduzir o custo com mão-de-obra - ou ao menos parte dele - da base de cálculo para o pagamento da Cofins. Para a entidade, a medida dificulta ainda mais o crescimento das empresas e a retomada dos investimentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.