Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Comércio sem dólar fortalece moedas locais, diz Argentina

O ministro das Relações Exteriores da Argentina, Jorge Taiana, afirmou nesta sexta, dia 1º, em Lima, que o anúncio de que seu país e Brasil vão parar de usar dólares em seus intercâmbios comerciais mostra a "confiança" nas moedas locais.Os dois países anunciaram hoje, no Rio de Janeiro, que seu mecanismo cambial bilateral usará as moedas nacionais, com operações de compensação diárias.O acordo será assinado em 15 de dezembro, durante a reunião de presidentes de Mercosul, no Brasil, que ocupa a Presidência temporária do bloco.Taiana, em visita oficial ao Peru, disse que a decisão "é uma prova" de que os dois países confiam em "moedas previsíveis e estáveis".O chanceler argentino admitiu que a decisão exige "um caminho tecnicamente complexo sobre as compensações e os prazos" para as transações em reais e pesos. Mas ressaltou que a medida "é muito mais econômica" porque evitará a necessidade de "tomar como referência os mercados internacionais, o que implica um custo mais elevado".Ele criticou as aspirações do Uruguai, outro membro do Mercosul, de assinar um Tratado de Livre-Comércio com os Estados Unidos. Para Taiana, o acordo vai contra "a estratégia e as características do Mercosul", cuja política tem sido "a negociação conjunta de acordos comerciais com terceiros"."É o velho princípio de que juntos somos mais fortes", explicou.Taiana ressaltou que "o Mercosul cresceu este ano com a incorporação da Venezuela, ao fim de uma negociação complexa". Além disso, o bloco reconheceu as assimetrias de Uruguai e Paraguai."A realidade econômica internacional é complexa, cheia de concorrência, e as possibilidades de mercado não se repetem todos os dias" acrescentou, opinado em seguida que "o Mercosul é a melhor ferramenta para negociar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.