bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Comércio varejista acelera e vende 1,52% a mais em abril

As vendas do comércio varejista aceleraram em abril, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento mostrou que, com relação a março - já com ajuste sazonal (descontadas particularidades de determinadas épocas do ano) - o aumento foi de 1,52% no volume e de 1,43% nos ganhos. Tomando como base o mesmo período do ano passado, as altas foram de 7,42% e 8,86%, para volume e receita, respectivamente. No ano, o total de produtos vendidos já aumentou em 5,64%, o que gerou um aumento de arrecadação em 8,05%. Na comparação com março, segundo o instituto, três das quatro atividades pesquisada tiveram melhora no desempenho. Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo teve incremento de 0,67%; Móveis e eletrodomésticos, de 2,30%; e Tecidos, vestuário e calçados, de 2,62%. A queda ficou a cargo do grupo Combustíveis e lubrificantes, que teve retração de 2,28%. Já o segmento de Veículos, motos, partes e peças, parte do comércio varejista ampliado, cresceu 1,02% sobre o mês anterior.Tomando como base o mesmo mês de 2005, o volume de vendas cresceu em seis das oito atividades do varejo: Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (14,10%); Outros artigos de uso pessoal e doméstico (19,40%); Móveis e eletrodomésticos (2,79%); Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (16,57%); Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,93%); Livros, jornais, revistas e papelaria (4,16%). Houve quedas em Combustíveis e lubrificantes (-10,99%) e em Tecidos, vestuário e calçados (-3,20%).DestaquesO destaque nessa última comparação foi do grupo de Hipermercados, que expandiu em 14,10% - marcando o melhor resultado do setor para o ano. Segundo o IBGE, isso aconteceu devido à melhora nos níveis de ocupação e rendimento médio real em relação a abril do ano passado. Tal resultado também se justifica pelo efeito base provocado pelo deslocamento da comemoração na Páscoa, de março, em 2005, para abril, em 2006. No acumulado do ano, o volume cresceu 7,40% em relação a igual período de 2005, acumulando 4,23% nos últimos 12 meses.O volume de vendas da atividade de Outros artigos de uso pessoal e doméstico cresceu 19,40% em relação a abril de 2005, devido às vendas da Páscoa pelas lojas de departamento, um dos ramos da atividade. Os acumulados foram 14,24% e 14,82%, no ano e nos últimos 12 meses, respectivamente.Regiões Na comparação com abril, de todos os 27 Estados do País, apenas Mato Grosso teve queda no volume de vendas (-11,97%). As maiores taxas de crescimento, por sua vez, ficaram a cargo de Roraima, com 39,32%; Amapá, com 16,05%; Amazonas, com 15,87%; Maranhão, com 14,13%; e Tocantins, com 13,67%.Segundo o IBGE, quanto à participação na composição da taxa global, os destaques, pela ordem, foram São Paulo, com 7,58%; Minas Gerais, com 11,33%; Rio de Janeiro, com 7,84%; Bahia, com 10,16%; e Santa Catarina, com 8,83%.Utilizando como base março, o volume de vendas cresceu em 23 estados e caiu em quatro. As maiores altas foram em Roraima (12%); Espírito Santo (9,20%); Pará (5,52%) e DF (4,78%). As quedas foram no Amapá (-6,11%); Tocantins (-5,90%); Sergipe (-1,75%) e Paraíba (-0,06%).Este texto foi atualizado às 14h19.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.