Comércio vê alta de vendas à vista na reta final do Natal

Impulso, porém, deve ser insuficiente para garantir crescimento expressivo na receita, que deve aumentar até 3%

MÁRCIA DE CHIARA , O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2011 | 03h05

Às vésperas do Natal, a venda à vista teve forte reação. Mas esse impulso de última hora ainda é insuficiente para sinalizar grandes taxas de crescimento de faturamento. É que o pagamento à vista normalmente é usado para compras de menor valor.

Duas pesquisas divulgadas ontem, uma da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e outra da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP), indicam que o acréscimo de vendas deve ser moderado, entre 1,8% e 3%, em relação ao melhor Natal da década, que foi o de 2010.

Até quinta-feira, as consultas para compras com cheque aumentaram 1,6% em relação ao mesmo período de 2010, segundo a ACSP. O resultado representa uma aceleração, já que na primeira quinzena do mês as consultas para venda à vista estavam estagnadas e até quarta-feira tinham crescido apenas 0,3% na mesma base de comparação.

No crediário, a reação foi menos expressiva. Até quinta-feira, a elevação no número de consultas neste mês para aprovação de financiamentos foi 2% maior ante dezembro de 2010. No fechamento da quinzena, a taxa de crescimento era de 1,9%. "A venda a prazo continua fraca", observa o economista da ACSP, Emílio Alfieri.

Até quinta-feira, na média das consultas para vendas à vista e financiadas, houve um acréscimo de 1,8% em relação a dezembro de 2010, abaixo do projetado pela associação comercial, que é de 2%, e um pouco mais da metade do esperado pelos 156 executivos de lojas de varejo na Região Metropolitana de São Paulo, consultados esta semana pela Fecomércio-SP.

De acordo com a pesquisa da Fecomércio-SP, o faturamento deve crescer cerca de 3% neste Natal, comparado com o do ano passado. Fábio Pina, assessor econômico da entidade, pondera que os lojistas geralmente são conservadores nas projeções. De toda forma, esse resultado é inferior à expectativa de alta da receita traçada pela Fecomércio, que varia entre 3% e 4%.

Um dado relevante da enquete feita com lojistas é a maior taxa de crescimento de receita projetada para os bens não duráveis, que são de menor valor, como artigos de vestuário, comparado aos duráveis, que são os eletrônicos e eletrodomésticos, por exemplo. Os lojistas esperam crescimento de 2,8% no faturamento com duráveis em relação ao ano passado e de 3,2% para os não duráveis.

"Teremos um crescimento de vendas moderado neste Natal, mas sobre um base boa, que foi o de 2010", ressalta Pina. Mas ele observa que no ano passado os estoques dos lojistas estavam mais enxutos do que os deste ano. Segundo a pesquisa, 29,5% dos lojistas declararam que estão com estoques maiores comparados com os do Natal de 2010 e 51,3% informaram que têm os mesmos volumes. Pina diz que essa quantidade adicional de mercadoria indica que os lojistas esperavam vendas maiores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.