Comissão abre investigação antitruste sobre a Intel

A Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos abriu uma investigação formal sobre a Intel, em meio ao aprofundamento das preocupações antitruste em torno da maior fabricante de chips do mundo. A Intel, a Advanced Micro Devices (AMD) e vários fabricantes de computadores que compram chips de ambas as companhias começaram a receber intimações da Comissão, segundo disseram autoridades ao jornal The New York Times.Em um comunicado, a Intel disse acreditar que "suas práticas empresariais estão de acordo com a legislação dos EUA". A companhia acrescentou que "a evidência de que este setor é acirradamente competitivo é convincente". A empresa apontou a queda de 42% nos preços dos microprocessadores entre 2000 e o fim de 2007.A decisão da FTC saiu um dia após a revelação de que a Intel enfrenta uma multa antitruste de US$ 25,4 milhões na Coréia do Sul. A AMD pressionava há muito tempo a Comissão para que o órgão investigasse a Intel, depois de ter conseguido convencer agências regulatórias na Europa, no Japão e na Coréia do Sul. A AMD alega que a Intel usa descontos e outras táticas para excluí-la do mercado de microprocessadores."Em todos os países do mundo onde as práticas empresariais da Intel foram investigadas, incluindo a decisão da Coréia do Sul nesta semana, os órgãos reguladores antitruste tomaram providências", disse o diretor-administrativo da AMD, Tom McCoy. A Intel insiste que os abatimentos e outros incentivos que ela concede aos fabricantes de PC representam descontos legítimos, baseados no volume de chips comprados pelos clientes.Bruce Sewell, conselheiro geral da Intel, criticou os órgãos reguladores coreanos e disse que a companhia provavelmente vai recorrer. Às 16h09, as ações da Intel caíam 3,06% na Bolsa de Nova York, para US$ 23,14. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.