finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Comissão adia para quinta-feira votação do modelo de partilha

Deputado Henrique Alves, relator do projeto, discutirá aprimoramento do texto com integrantes da Câmara

RENATO ANDRADE, Agencia Estado

03 de novembro de 2009 | 14h25

A comissão especial da Câmara que discute o projeto de lei que estabelece o modelo de partilha para o pré-sal adiou para quinta-feira 5, a partir das 19 horas, a votação do relatório do deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). O adiamento por duas sessões foi a pedido do deputado Hugo Leal (PSC-RJ), sob o argumento de que é preciso mais tempo para discutir a proposta e saber se o relator fará alterações no texto apresentado na semana passada. Henrique Alves disse que aproveitará os dois dias de adiamento para discutir com todos os interessados possíveis aprimoramentos do seu texto.

 

Veja também:

linkGoverno já aceitaria aumentar royalties para apressar votação

linkUnião vai ficar com mais de 75% da receita do pré-sal, diz estudo

especialO novo marco regulatório do petróleo

especialO caminho até o pré-sal

especialMapa da exploração de petróleo e gás   

Apesar de o pedido de adiamento ter sido apresentado por um deputado da bancada fluminense, a decisão não agradou o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Segundo ele, existe o risco de o relatório não ser votado na comissão e acabar sendo levado ao plenário na próxima semana sem alterações. "Acho um erro esse adiamento de discussão. Isso é um tiro no pé para quem quer fazer mudanças no texto", afirmou Cunha.

 

Petro-sal e capitalização da Petrobrás

 

Na quarta-feira, 4, as comissões especiais votam mais dois projetos. Na proposta que cria a empresa Petro-Sal, o relator, deputado Luiz Fernando Faria (PP-MG), evitou muitas modificações. Ele incluiu no projeto a necessidade de a empresa contratar uma auditoria independente para suas contas.

 

Já a possibilidade de uso de parte do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) na compra de ações da Petrobrás ficou apenas na intenção do relator do projeto que autoriza a capitalização da empresa, deputado João Maia (PR-RN). Com a pressão do governo, o relator recuou da ideia de permitir o acesso às ações da empresa das pessoas que já tinham comprado ações da Petrobrás em 2000.

 

(Com Denise Madueño) 

Tudo o que sabemos sobre:
petróleopré-salvotação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.