Comissão aprova relatório para CPI da Parmalat

Os parlamentares que integram a Comissão Especial que investigou a crise da Parmalat aprovaram nesta quarta-feira, sem modificações, o relatório do deputado Assis Miguel do Couto (PT-PR), que servirá de base para as investigações de uma Comissão Parlamentar Inquérito (CPI). O pedido de CPI já foi protocolado e a instalação deve ocorrer logo nos próximos dias. ?Não há motivos para não instalar a CPI?, disse Couto. No relatório, o deputado apresenta seis propostas para a reestruturação do setor leiteiro: fortalecimento e expansão do sistema cooperativista; criação do Programa Nacional de Fortalecimento da Cadeia Produtiva do Leite; investimentos em campanhas publicitárias para valorização do consumo de leite; adoção de medidas que evitem a concentração de empresas; fixação de preço mínimo de garantia; e ampliação das exportações. ?Deve haver um esforço do Executivo para a ampliação das exportações?, informou o deputado, citando, entre as medidas, a necessidade de negociação de acordos de equivalência sanitária com países importadores. Entre as medidas de curto prazo, Couto defendeu a oferta, via Pronaf, de nova linha de crédito para o custeio e o investimento para agricultores familiares prejudicados pela crise. Além do BNDES, os bancos do Brasil, do Nordeste e da Amazônia deveriam financiar cooperativas de produtores interessados em comprar unidades da Parmalat. O relatório também recomenda ao Poder Executivo que desestimule uso de recursos públicos ou de instituições financeiras públicas para empresas do grupo Parmalat. A dívida total do grupo Parmalat no Brasil soma cerca de US$ 2 bilhões.

Agencia Estado,

10 Março 2004 | 20h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.