Comissão do Senado aprova diretores para o Banco Central

A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado aprovou na noite desta terça-feira as indicações dos economistas Affonso Beviláquia e Eduardo Loyo para as diretorias de Política Econômica e de Assuntos Especiais do Banco Central. Após serem sabatinados, os novos diretores receberam, cada um, 20 votos favoráveis, quatro contra e uma abstenção. Agora, a indicação dos novos diretores do BC terá que ser aprovada pelo plenário do Senado.A sabatina transformou-se num grande debate sobre taxas de juros e spread (diferença entre as taxas de captação e de empréstimo dos bancos). O líder do governo no Senado, Aloízio Mercadante (PT-SP) insistiu que a melhoria dos indicadores econômicos permitiria um corte na taxa de juros. O senador Fernando Bezerra (PMDB-RN) cobrou medidas para reduzir o spread bancário. E o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) questionou se a política econômica do governo não estaria errando ao privilegiar apenas o curto prazo.?Certamente os dados atuais permitem discutir mais seriamente a redução da taxa de juros?, disse Beviláqua, que substituirá Ilan Goldfajn. ?Mas isso deve-se dar no momento adequado.? Ele justificou a decisão da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que manteve a taxa de juros básica da economia em 26,5% ao ano. ?Os indicadores recentes mostram queda da inflação no atacado, mas no consumo ela ainda não é a adequada, levando em conta a meta do BC?, afirmou. Ele disse, porém, que vê ?perspectivas positivas no futuro?, sem falar em prazos.Eduardo Henrique de Mello Motta Loyo, que foi indicado para a recém criada diretoria de Estudos Especiais, indicou que aquilo que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva apontou como o novo vilão da economia, o spread, não será combatido com medidas abruptas. ?O mais importante não é um instrumento que corrija esse problema de forma mais abrupta, mas que no médio prazo corrija a estrutura de crédito no País, até porque o mercado de crédito é importante para que a política monetária tenha eficácia?, afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.