DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Comissão para reforma tributária será instalada em 2 semanas, diz líder do MDB na Câmara

Para o deputado, a proposta é positiva no sentido de simplificação tributária para acabar com distorções, encerrar a guerra fiscal entre os Estados e auxiliar no reaquecimento da economia

Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2019 | 12h47

BRASÍLIA - O líder do MDB na Câmara, Baleia Rossi (MDB-SP), afirmou nesta quarta-feira, 5, que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), indicou que instalará a comissão especial para analisar a reforma tributária em duas semanas. A proposta já foi aprovada da Comissão de Constituição e Justiça. 

"O importante é que o presidente Maia disse que a reforma tributária será prioridade logo após a reforma da Previdência", disse. Alguns deputados se reuniram com Maia e o economista Bernard Appy para discutir as medidas - Appy é o idealizador do texto que foi encampado por Baleia Rossi. 

Segundo Rossi, os deputados têm preocupações em relação aos impactos que a unificação de impostos federais, estaduais e municipais pode ter nas contas dos Estados e municípios e de alguns setores produtivos.

"Houve um debate neste sentido e a ideia é criar o Fundo Regional de Desenvolvimento e de Investimento para que alguns Estados tenham condições de ter um investimento específico para cobrir qualquer tipo de perda", disse. 

Para o deputado, a proposta é positiva no sentido de simplificação tributária para acabar com distorções, encerrar a guerra fiscal entre os Estados e auxiliar no reaquecimento da economia. 

Previdência

Rossi afirmou ainda que o MDB irá votar favoravelmente a Reforma da Previdência mediante alguns ajustes, como no caso do BPC e a criação de uma transição para quem está próximo de se aposentar nos próximo ano, com possível pagamento de pedágio. 

"Não podemos votar uma meia reforma. Precisamos garantir a economia necessária. Imaginamos que o mínimo tem que ser de cerca de R$ 900 milhões. Temos compromisso de que ela seja uma reforma robusta", disse. 

Tudo o que sabemos sobre:
reforma tributária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.