Commodities impulsionam alta de bolsas da Ásia

As principais bolsas de valores da Ásia fecharam em alta nesta terça-feira, com o dólar fraco dando força para as commodities no overnight, o que impulsionou ações do setor na região.

PORJU GO, REUTERS

30 de março de 2010 | 08h19

O índice MSCI que acompanha as bolsas da Ásia-Pacífico exceto Japão tinha alta de 0,57 por cento, aos 425,89 pontos, às 8h13 (horário de Brasília).

O índice Nikkei da bolsa de TÓQUIO fechou em alta de 1,01 por cento, aos 11.097 pontos, máxima em 18 meses, impulsionado por empresas de matérias-primas. O indicador está em tendência de alta no novo ano fiscal que começa esta semana, apesar das preocupações de que excesso de valorização.

"No próximo trimestre deveremos ver o Nikkei entre 10 mil e 11.500 pontos", disse Yutaka Miura, analista chefe técnico na Mizuho Securities. "Ele subiu bem recentemente na expectativa da recuperação econômica global e bons resultados japoneses, mas caso eles não fiquem dentro das expectativas pode haver uma realização no curto prazo."

A BHP Billiton e a Vale, terceira e primeira maiores produtoras mundiais de minério de ferro respectivamente, convenceram as usinas siderúrgicas do Japão a comprar a commodity com base em sistema de preço trimestral a partir de 1o de abril.

A notícia foi boa para o setor minerador, incluindo a Rio Tinto, que espera substituir o sistema anual de preços por um com intervalos menores.

Analistas foram animados ainda por notícias de que as siderúrgicas sul-coreanas e japonesas concordaram com aumento de 90 por cento no minério de ferro.

A bolsa de SYDNEY fechou em alta de 0,4 por cento, aos 4.916 pontos. Em HONG KONG, o índice Hang Seng encerrou com ganhos de 0,65 por cento, para 21.374 pontos. Em XANGAI, a alta foi de 0,15 por cento, a 3.128 pontos. TAIWAN fechou com valorização de 0,19 por cento, em 7.962 pontos.

A bolsa de SEUL ganhou 0,48 por cento, a 1.700 pontos. CINGAPURA teve alta de 0,15 por cento, aos 2.933 pontos.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.