Commodities sobem com queda do dólar

O dólar voltou a se desvalorizar ontem, pressionando as cotações das commodities. O grupo das 20 maiores economias do mundo (G20), reunido no sábado, não chegou a medidas concretas sobre o câmbio, o que abriu as portas para a venda de dólares. Investidores que usam outras moedas puderam comprar mais matérias-primas - entre elas a soja negociada na Bolsa de Chicago. O contrato para entrega em novembro avançou 1,52% e fechou a US$ 12,1775 por bushel.

Análise: Filipe Domingues, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2010 | 00h00

Além disso, os Estados Unidos continuam exportando muita soja para outros países, especialmente para a China. Isso vem mantendo a sustentação dos preços da commodity. Quase que diariamente o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos tem anunciado novas vendas para a China, que avançam em ritmo recorde. Segundo analistas, o objetivo dos chineses é importar para se proteger contra uma eventual restrição na oferta global.

Os outros grãos negociados em Chicago também tiveram valorização. O milho para entrega em dezembro subiu 1,56% e terminou a segunda-feira cotado a US$ 5,6875/bushel. O dólar foi a principal influência, mas investidores mencionaram, ainda, as chuvas na região Meio-Oeste dos Estados Unidos como importante fator de sustentação. Elas podem causar problemas para a colheita, que está próxima do fim, impactando na oferta. O trigo avançou 0,48%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.