Commodities sustentam Ibovespa no azul após dados dos EUA

Em dia de giro curto, a bolsa paulista apoiou-se na alta das commodities para superar o sobe-e-desce de Wall Street, a reboque de dados divergentes da economia dos Estados Unidos, e fechou a quarta-feira com leve valorização.

ALUÍSIO ALVES, REUTERS

23 de dezembro de 2009 | 18h49

O Ibovespa subiu 0,25 por cento, aos 67.588 pontos. O movimento financeiro da sessão, antes do recesso de quatro dias pelo Natal, somou 4,35 bilhões de reais --o menor do mês.

O principal alicerce do índice foi o papel preferencial da Petrobras, com avanço de 1 por cento, para 36,70 reais, na cola do barril do petróleo, que subiu mais de 3 por cento com a notícia de que os estoques do produto nos EUA recuaram na semana passada muito acima do previsto por analistas.

O Ibovespa também foi ajudado por companhias ligadas a outras commodities, que subiram num dia de queda do dólar frente às principais divisas globais.

Em destaque, o papel preferencial da Usiminas teve alta de 0,54 por cento, a 48,31 reais, seguida por Gerdau, que ganhou 0,4 por cento, a 29,25 reais.

"No mais, o dia foi marcado pela reação a indicadores dos Estados Unidos", disse Anderson Luz, operador da InTrader.

O segmento de matérias-primas foi o fiel da balança num dia de índices desencontrados da economia norte-americana.

Numa mão, os gastos do consumidor do país subiram em novembro pelo segundo mês consecutivo e o índice de confiança do consumidor melhorou em dezembro. Mas esse script positivo foi atropelado pela divulgação de que as vendas de novas moradias no país tiveram queda inesperada em novembro. No final da tarde, os índices de Wall Street voltaram ao azul, mas sem força.

Sem grandes ingressos de recursos, a palavra de ordem na bolsa paulista foi girar carteiras. Como o vento estava a favor das commodities, os recursos acabaram saindo das ações de prestadoras de serviços públicos e de bancos.

Entre as líderes de perdas, Brasil Telecom perdeu 3,75 por cento, para 16,70 reais. No setor financeiro, Itaú Unibanco foi o mais fraco, recuando 0,84 por cento, para 37,87 reais.

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHAFINAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.