Divulgação
Divulgação

Como analisar o balanço patrimonial de uma empresa?

Balanços e prospectos são ferramentas para avaliar a saúde financeira de uma companhia; vídeos explicam como interpretá-los

Malena Oliveira, O Estado de S. Paulo

14 Maio 2015 | 17h27

Todas as companhias brasileiras (exceto microempreendedores e empresas rurais) precisam elaborar relatórios mensais, trimestrais ou anuais para prestar contas de sua situação financeira. Um desses documentos é o balanço patrimonial, elaborado e divulgado pelas empresas a cada três meses.

De acordo com a legislação, as empresas que são constituídas em sociedade, com ações negociadas na Bolsa ou não, precisam dizer periodicamente a seus acionistas ou investidores como andam as finanças da companhia.

O professor Giácomo Diniz, do Instituto Educacional BM&FBovespa, explica que o documento é elaborado de modo a mostrar duas situações: "O lado dos ativos representa os bens e os investimentos que a empresa possui. O do passivo, as obrigações que a empresa tem a cumprir, ou seja: quem está financiando os negócios."  

O balanço pode ser visto como uma fotografia da companhia em um determinado momento, compara o professor, pois mostra seus recursos em caixa, seus gastos com a operação, os impostos a pagar e seu endividamento (a chamada alavancagem).

Para avaliar a saúde financeira de uma empresa, o requisito mais importante é o conhecimento do próprio investidor sobre o negócio, conforme explica Diniz. Isso porque é preciso levar em conta o impacto de uma série de variáveis econômicas sobre a área de atuação da empresa: "Vamos usar a Vale como exemplo: se o crescimento chinês aumenta, haverá mais demanda de minério de ferro, seu preço internacional vai subir e a empresa vai ganhar dinheiro. Outro aspecto é o câmbio: como ela está exportando, vai receber mais reais por dólar vendido quando a moeda americana estiver valorizada. Ou seja: ela também fica feliz."

Além do próprio site da companhia, o investidor pode buscar informações sobre a empresa em que fez aportes nas juntas comerciais e, no caso das companhias de capital aberto, no site da BM&FBovespa e no portal da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão que fiscaliza o mercado de capitais no Brasil.

 

Prospecto. Quando uma empresa deseja obter recursos na Bolsa de Valores para financiar sua operação, precisa apresentar ao mercado uma série de informações que servirão como principal instrumento para que os possíveis investidores avaliem o negócio. Essa ferramenta é chamada Prospecto.

Mais detalhado que o balanço, o catálogo de informações traz detalhes sobre a gestão da companhia. "É preciso olhar tanto para as informações financeiras quanto para outras questões, como quem é o dono da empresa, quais são os riscos de investir no negócio, quais são os objetivos e os recursos do negócio", explica Diniz.

Quem participa de uma oferta inicial de ações (o chamado IPO) não pode fazer recomendações a investidores por questões legais, mas uma forma eficaz de avaliar se vale a pena ou não investir em uma empresa é comparar o negócio a outros semelhantes no mercado, conforme aponta Diniz. No caso de uma empresa que não tem pares no mercado, é preciso ficar atento à maneira como os negócios são geridos.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.