Como escolher um fundo de investimento

Antes de diversificar as aplicações, o investidor deve pesquisar o tipo de investimento mais adequado ao seu perfil - conservador, moderado ou agressivo - e avaliar os riscos. De acordo com o diretor de Administração de Recursos do banco Chase Manhattan, Wagner Murgel, os fundos de ações são opção interessante para quem quer diversificar os investimentos. Murgel acredita que é melhor um fundo em que o administrador aumenta ou diminui a exposição em bolsa conforme as perspectivas do mercado. Por isso, recomenda ao investidor moderado procurar fundos multicarteira - que misturam numa única carteira ativos de renda fixa e renda variável - em que o administrador adote uma atitude mais ativa. O gestor de Renda Variável da ABN Amro Asset Management, Alexandre Póvoa, tem a mesma opinião.Póvoa, diz que o investidor conservador que pretende diversificar pode destinar parte de seus recursos para fundos de capital garantido e para fundos de derivativos de risco baixo (veja explicação na cartilha de investimentos, no link abaixo). Desse modo, é possível obter uma rentabilidade um pouco melhor arriscando pouco. O investidor agressivo, por sua vez, tem, além de todas essas opções, os fundos de ações. O risco pode ser maior, porque a bolsa pode oscilar mais. Porém, os ganhos podem ser maiores.O diretor da ClickInvest Gestão de Ativos, Gabriel Jafet, entende que, uma vez escolhido o tipo de fundo em que se quer aplicar, o investidor deve conhecer detalhadamente a política de investimentos. Ele também ressalta que é importante analisar a rentabilidade do fundo por prazos longos, além de verificar a relação risco-retorno. Jafet diz que o investidor pode ter bons ganhos em fundos de derivativos (veja explicação no link abaixo, na cartilha de investimentos), mas é preciso saber exatamente os riscos do administrador. Jafet acredita que só vale a pena entrar em Bolsa para ganhar muito dinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.