Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Como previsto, BC Europeu mantém taxas de juros inalteradas

O Banco Central Europeu manteve inalterada em 2% a taxa mínima de juro que cobra para suas principais operações de refinanciamento na zona do euro. A taxa está nesse nível há oito meses e é a menor praticada na maioria dos países da região desde a Segunda Guerra Mundial. Dos 26 analistas consultados em pesquisa da Dow Jones, 24 previram manutenção do juro. A razão para isso é o fato de que a recuperação econômica da região, embora fraca, está em processo. Além disso, o BCE sinalizou repetidamente que considera a taxa mínima de 2% baixa o suficiente para financiar uma recuperação. As duas instituições que previram redução, de 25 pontos-base, foram o Credit Agricole e o Barclays Research, baseadas na debilidade dos indicadores econômicos recentes.Além dessas duas instituições, sete outras disseram que prevêem um corte da taxa até o final do segundo trimestre. Um total de oito analistas disseram que a taxa deve cair ao final do terceiro e do quarto trimestre. A previsão de queda é estimulada por dados apontando baixa inflação na zona do euro, abaixo da meta de 2% do BCE, o que presumivelmente dá ao banco espaço para cortar o juro. Por outro lado, a taxa inflacionária está baixa por causa da forma como é medida, que utiliza o mesmo mês do ano anterior como base. Os preços de petróleo subiram no ano passado, por causa da guerra no Iraque, o que torna o dado de inflação comparativamente baixo. Além disso, a queda recente do euro frente ao dólar deve remover um dos fatores que estão limitando a inflação. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

01 de abril de 2004 | 09h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.