bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Como retirar o nome das listas de devedores

Atraso de contas ou cheques sem fundos são os dois motivos mais comuns que levam o nome do consumidor a constar nas chamadas listas de devedores em atraso ou no Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundo (CCF), do Banco Central. Com isso, o inadimplente fica impossibilitado de obter crédito por cinco anos, período que o nome permanece no cadastro. A única forma de solucionar esse problema é a quitação da dívida. Cada instituição tem procedimentos específicos para a exclusão do nome das listas. No entanto, o primeiro passo é verificar o motivo que gerou a inadimplência: título de dívida protestado ou emissão de cheque sem fundo. Em casos de títulos protestados em cartório, a informação é encaminhada às entidades de classe, como Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que conta com o Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), e Federação Brasileira dos Bancos (Febraban). Conhecendo a origem do problema, a própria instituição orienta o devedor sobre como proceder para limpar o nome. O mercado conta com empresas especializadas neste tipo de operação, mas, além de ser mais caro, o consumidor pode ter alguns transtornos (veja matéria no link abaixo). O melhor é providenciar sozinho a regularização, sem intermediários. Títulos protestados Para excluir o nome do cadastro de inadimplentes, no caso de títulos protestados, o devedor somente pode cancelar o protesto com o pagamento do débito. Limpar o nome no cartório é simples, basta dirigir-se até o local que aceitou o protesto e apresentar documento que comprove a quitação da dívida. O inadimplente é quem arca com os custos envolvidos para cancelar o protesto. O próprio cartório entrará em contato com os serviços de proteção, como SCPC e Serasa - Centralização dos Serviços Bancários.Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC)Para limpar o nome do SCPC ou do Usecheque, o consumidor deve procurar pessoalmente o Serviço de Recuperação de Crédito (SRC) da ACSP, com identidade, CPF e cópia do comprovante do pagamento da dívida. Após verificar documentação, o SRC retira o nome da lista de devedores. UsechequeJá quem deseja excluir o nome do Usecheque precisa providenciar primeiramente a retirada do Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundo (CCF), veja abaixo como proceder. O consumidor pode acelerar a retirada da lista de Usecheque apresentando comprovante do banco de que pagou o cheque emitido sem fundos. O atendimento do SRC é gratuito, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 17h30, e sábados, das 8h30 às 12 horas. Outras informações também podem ser obtidas no tel. (0xx11) 3244-3030.Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos (CCF), Banco Central e Serasa No caso de exclusão do cadastro CCF, o pedido deverá ser enviado diretamente à agência bancária que efetuou a apresentação do cheque sem fundos. O consumidor precisa solicitar ao banco informações sobre o número, valor e data do cheque que foi apresentado por duas vezes, sem que houvesse saldo na conta corrente para pagamento. Depois, deve verificar nos canhotos em seu poder para quem foi emitido o cheque e procurar a pessoa ou empresa, a fim de regularizar o débito e recuperar o documento. Uma vez com o cheque em mãos, é preciso preparar uma carta, conforme orientação do gerente de sua conta, e encaminhá-la ao banco que informou a ocorrência de cheque sem fundos. É necessário ainda juntar o original do cheque recuperado, recolher no banco as taxas pela devolução do cheque e protocolar uma cópia dos documentos entregues para regularização no Banco Central. Já no CCF, o correntista deve acompanhar e obter o protocolo da comunicação de regularização do seu banco para o Banco do Brasil (BB), encarregado pelo Banco Central de processar a atualizar o arquivo de CCF. Na Serasa, a regularização dos cheques sem fundos só acontece após comunicado do BB de que a situação foi regularizada.Veja nos links abaixo dicas para renegociar dívidas; recomendação de especialistas para usar dinheiro da restituição no pagamento de dívidas; e os cuidados com empresas de reabilitação de crédito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.