Companhia aérea chinesa voará com os jatos da Embraer

A companhia aérea Mandarin Airlines, com sede em Taipei, China, substituirá os aviões Fokker 100 e Fokker 50 pelas aeronaves Emb190 e Emb195, fabricadas pela Embraer. A escolha de oito unidades foi anunciada nesta segunda-feira pela empresa brasileira. A compra, no valor médio de US$274 milhões, foi feita por meio de um contrato de leasing, assinado com a GE Commercial Aviation Services (GECAS). O negócio fez a Embraer confirmar que instalará um centro de suporte ao produto na região da Ásia Pacífico, para a reposição de peças e ainda a instalação de um simulador de vôo. "Estamos na fase fina do processo de escolha dos lugares para a construção dessa estrutura, que deve entrar em operação no segundo semestre de 2007", informou o vice-presidente da Embraer Frederico Fleury Curado.Os jatos oferecerão serviços em classe única e terão 104 e 116 lugares. As aeronaves serão usados em rotas domésticas em mercados intra-regionais da Ásia. As entregas começam no ano que vem.Pesquisa De acordo com a direção da companhia aérea chinesa, a escolha exigiu da empresa uma pesquisa de mercado durante um ano e meio, onde foram avaliados os diferentes tipos de aeronaves do mercado. "Levando em conta a demanda do mercado no futuro, o desempenho do avião, bem como as estruturas de treinamento e apoio oferecido pelo fabricante, escolhemos os aviões da Embraer para serem os principais componentes da nossa futura frota", justificou Michael Lo, presidente da Mandarin Airlines. Ainda segundo o executivo a "configuração de cabine do 190 e 195 aumenta os níveis de segurança e satisfação dos clientes". Criada há 15 anos a Mandarin se fundiu com a Formosa Airlines em 1999 e aumentou sua atuação no mercado doméstico de Taiwan. Atualmente a Mandarin, subsidiária da China Airlines, realiza 65 vôos diários a 19 destinos em Taiwan e região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.