Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Companhia aérea da Itapemirim chega na crise, mas já fala em voar ao exterior

Empresa começa a vender passagens na próxima sexta-feira e prevê início dos voos para o dia 29 de junho; meta é voar para Estados Unidos e Europa a partir de 2023

Juliana Estigarríbia, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2021 | 05h00

O setor aéreo passa pela pior crise de sua história com a pandemia da covid-19, mas o presidente da Itapemirim, Sidnei Piva, acredita que esse é exatamente o momento para o grupo estrear no mercado de aviação. O executivo afirma que o plano da nova empresa é cobrir todo o território nacional e voar para Europa e Estados Unidos a partir de 2023. A investida nos céus ocorre em meio à recuperação judicial do grupo.

A ITA, nome da nova companhia aérea, começará a vender passagens na sexta-feira, dia 21, com viagem inaugural marcada para 29 de junho. “Estou buscando tirar esse rótulo de low-cost, mas também não teremos o preço mais caro”, disse o executivo ao Estadão/Broadcast.

No início das operações, a ITA estará em oito aeroportos: Belo Horizonte/Confins (MG), Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Porto Seguro (BA), Rio de Janeiro/Galeão (RJ), Salvador e São Paulo/Guarulhos (SP).

Até junho de 2022, a companhia espera receber 50 aeronaves da Airbus, sendo dez do modelo A319 e o restante, do A320. Elas não serão novas: a idade média da frota será de 5 a 6 anos. “Com o tempo, faremos um plano de renovação, à medida que a empresa for crescendo.”

O executivo está confiante que a Itapemirim conseguirá os horários de pousos e decolagens (slots) necessários para operar em outros aeroportos brasileiros, questão que historicamente rendeu embates no setor. “Por lei, as novas entrantes do mercado de aviação têm direito a slots e, com a nova distribuição de espaços prevista para outubro, é inevitável que a ITA esteja entre as companhias que vão obter esses slots.”

Piva afirma que a ITA recebeu um aporte de US$ 500 milhões de dois fundos de investimento dos Emirados Árabes – cujos nomes não pode abrir por causa de um termo de confidencialidade. “Para nós, seria até bom divulgar o nome de um desses fundos, que atua no setor aéreo, mas não podemos”, diz.

Céu de brigadeiro?

O desafio da Itapemirim, no entanto, supera o cenário macro. O executivo diz que a recuperação do braço rodoviário foi aprovado por 97% dos credores. “Temos autonomia para continuar investindo e garantir que teremos condições de honrar os nossos compromissos.”

Porém, um relatório de janeiro da administradora judicial do grupo, a EXM Partners, reporta “relevante atraso nas análises” de auditoria do processo. Piva garante, porém, que a Itapemirim resolveu as questões referentes ao plano e que cumprirá prazos. “Estamos pagando 100% do que é devido.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.