Companhia dá início a campanha para resgatar a marca

Dois filmes entram no ar neste semestre para valorizar a concha, símbolo da Shell, que busca rejuvenescimento

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2014 | 02h06

A famosa concha, símbolo da Shell, vai voltar aos holofotes a partir da quarta-feira, quando a companhia coloca no ar uma nova campanha publicitária para resgatar a força de sua marca. Com o slogan "Posto não se discute, tem que ser Shell", a campanha será feita em duas etapas este ano. "A primeira fase será focada no resgate da marca, associando o consumidor à Shell. É o que chamamos de efeito concha", afirma Leonardo Linden, vice-presidente de marketing da Raízen.

Na segunda etapa da campanha, que começará a partir do segundo semestre, o foco será em elementos mais específicos da companhia, como o combustível V-Power (gasolina e etanol), lojas de conveniência e demais serviços.

Filmes. Dois filmes foram criados para essa primeira fase. O primeiro é focado em um caminhoneiro que percebe que está sendo seguido por vários carros e não entende o motivo. Ao parar no acostamento, ele percebe que todos estavam correndo atrás do totem da Shell (a concha). No segundo, que vai ao ar a partir de abril três surfistas em um carro ficam sem combustível. Eles empurram o veículo e passam por diversos locais e postos, mas só conseguem ajuda quando encontram a Shell. A agência JW Thompson (JWT) foi responsável pela campanha.

Segundo Camilo Bistulfi Reis, gerente de marca e mídia da Raízen, a JWT é responsável pela campanha global da companhia. "Depois de muitos anos, decidimos fazer uma campanha local. Campanhas globais são boas para todos os países, mas não são específicas para mercados locais", diz.

A partir de maio, a Raízen fará nova parceria com o Instituto Ayrton Senna para arrecadar fundos destinados para a área de educação. Em 2013, cerca de 185 mil crianças foram beneficiadas com as ações nos postos de todo o Brasil. Uma parte da receita com combustíveis será revertida em doação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.