AP Photo/Mulugeta Ayene
AP Photo/Mulugeta Ayene

Companhias aéreas de 11 países suspendem voos com Boeing 737 Max após queda

Acidente deste domingo, 10, com um avião da Ethiopian Airlines, foi o segundo em menos de seis meses envolvendo modelo recém-lançado; no Brasil, Gol também anunciou suspensão nos voos com aeronave

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2019 | 13h19

Companhias aéreas de ao menos onze países suspenderam de forma temporária a circulação do Boeing 737 Max, após a queda de um avião do modelo no domingo. Reino Unido, Alemanha, França e Irlanda declaram hoje a medida.

Ontem, 11, a Fundação Procon-SP recomendou que a Gol suspenda de imediato a operação das aeronaves deste modelo.  Em nota, a decisão é atribuída a acidentes de perfil semelhante em curto espaço de tempo. "O objetivo da ação é prevenir que ocorram futuros acidentes colocando em risco a vida dos usuários do transporte aéreo", afirma o Procon-SP em comunicado.

Um total de 68 companhias aéreas e empresas de leasing ao redor do mundo utilizam ou adquiriram o 737 MAX, da Boeing.

De acordo com o site da fabricante, pelo menos quatro empresas na América Latina utilizam ou estão prestes a iniciar voos com a aeronave: Aeromexico, Copa Airlines, do Panamá, Aerolíneas Argentinas e a brasileira Gol.

Empresa

Nesta terça-feira, 12, A Boeing reafirmou a confiança nos padrões de segurança do avião 737 Max. A fabricante diz que tem "total confiança" no jato e que não há razão para mudar instruções dadas às aéreas sobre como operar o modelo. A empresa norte-americana disse entender agências regulatórias que tomam decisões consideradas as mais apropriadas para os mercados locais, mas nota que a Administração de Aviação Federal dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês) não determinou nenhuma ação da Boeing após a queda de dois aviões modelo Boeing 737 Max nos últimos meses.

Europa

No caso britânico, a decisão de cancelar os voos foi anunciada pela agência de regulação de aviação no país e afeta transportadoras europeias, como a Norwegian Air Shuttle e a operadora de viagens TUI AG.

A Alemanha, para justificar o movimento, citou decisões semelhantes em outros lugares, como no Reino Unido.

Anteriormente, China, Indonésia, Austrália e Cingapura também fecharam seus espaços aéreos para o Boeing 737 Max. A Gol informou ontem à noite que determinou uma pausa na atividade desses aviões, o que foi comunicado previamente à Agência Nacional de Aviação Civil, e a Aeroméxico e Aerolineas Argentinas também deixaram de realizar voos com o modelo.

Gol

Única brasileira que possui o modelo em sua operação, o avião é usado pela Gol para voos mais longos, como as rotas para Miami e Orlando, nos Estados Unidos, e Quito, no Equador.  Ela aposta no avião para renovar e modernizar a frota, ganhar eficiência - o modelo consome 15% menos combustível por assento- quilômetro ofertado em relação aos 737 NG - e ampliar a presença internacional.

A companhia tem 135 encomendas dos MAX 8 e 10 com a Boeing e já conta com sete aviões em operação. De acordo com o informado na última divulgação de resultados, a Gol espera terminar 2019 com 24 aeronaves MAX 8, quantidade que deve subir para 34 no encerramento de 2020.

O acidente

O acidente deste domingo, 10, com um avião da Ethiopian Airlines, foi o segundo em menos de seis meses envolvendo o recém-lançado Boeing 737 Max. Este era o mesmo modelo de aeronave que caiu na Indonésia em outubro, matando 189 pessoas. É apenas a segunda vez que um modelo com menos de dois anos de lançamento cai duas vezes: a outra foi em 1952.

Nos dois casos a queda se verificou minutos após a decolagem e não houve sobreviventes. A investigação sobre as causas do acidente continua, mas este mais recente levanta dúvidas quanto à segurança do 737 Max, que passou a ser comercializado pela Boeing no fim de 2017 como um avião econômico em termos de uso de combustível e tecnologicamente mais avançado do que seu popular 737.

O modelo 737 Max foi o avião mais rapidamente vendido na história da Boeing e é utilizado por empresas aéreas em todo o mundo.

É a mais nova geração do Boeing 737, aeronave que vem voando desde a década de 1960. Há quatro tipos de 737 Max na frota, de números 7,8,9 e 10. A série oito, envolvida nos acidentes na Indonésia e na Etiópia, era que estava mais em operação.

O 737 Max é muito utilizado para voos de curta e média distância, mas algumas empresas aéreas o utilizam para viagens entre a Europa do Norte e a Costa Leste dos Unidos. É um aparelho mais econômico e tem um alcance mais longo do que versões anteriores do modelo 737. O avião que caiu no domingo faria o trajeto de Adis Abeba, capital da Etiópia, para Nairóbi, no Quênia.

É muito cedo para dizer se as causas da queda do avião operado pela Ethiopian Airlines são as mesmas ou semelhantes àquelas envolvendo o acidente com o aparelho da Lion Air na Indonésia, no ano passado.

Mas há algumas similaridades: no domingo, a aeronave perdeu contato seis minutos após a decolagem. O piloto do avião recebeu autorização para retornar ao aeroporto de Adis Abeba, segundo a Ethiopian Airlines. Mas caiu perto de Bishoftu, cerca de 56 quilômetros a sudeste de Adis Abeba. No caso da Lion Air, o avião também caiu minutos após decolar e depois de a tripulação ser autorizada a retornar ao aeroporto.

A Boeing já entregou cerca de 350 aviões 737 MAX a companhias aéreas de todo o mundo e tem encomendas de mais de 5.000. Após o acidente na Etiópia, a companhia escreveu no Twitter que estava "profundamente entristecida ao saber da morte de passageiros e tripulação" no avião. A gigante americana disse ainda que enviaria técnicos ao local do acidente para ajudar investigadores da Etiópia e dos EUA.

Confira a lista com as 68 companhias que operam com o modelo

AerCap

Aerolineas Argentinas

Aeromexico

Air Canada

Air China

Air Europa

Air Lease Corporation

Air Niugini

Air Peace

ALAFCO

Alaska Airlines

American Airlines

Arik Air

Aviation Capital Group

Avolon

Azerbaijan

Blue Air

BOC Aviation

CALC

CDB Aviation

China Eastern Airlines

China Southern Airlines

CIT Aerospace

Comair Limited

Copa Airlines

Corendon Airlines

Donghai Airlines

Eastern Air Lines

Enter Air

Ethiopian Airlines

flydubai

Garuda Indonesia

GE Capital Aviation Services

GOL Airlines

Hainan Airlines

ICBC Leasing

Icelandair

Jet Airways

Jetlines

Korean Air

LOT Polish Airlines

Lion Air

Malaysia Airlines

Mauritania Airlines

Neos

Nok Air

Norwegian Air Shuttle

Okay Airways

Oman Air

Primera Air

Qatar Airways

Ruili Airlines

Ryanair

Shandong Airlines

SilkAir

SMBC Aviation Capital

Southwest Airlines

SpiceJet

Sriwijaya Air

SunExpress

Travel Service

TUI Group

Turkish Airlines

United Airlines

VietJet Aviation

Virgin Australia

WestJet

Xiamen Airlines

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.