bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Compensação de perda no IR é estendida

A elevação da alíquota do Imposto de Renda (IR), de 10% para 20%, sobre os ganhos obtidos com ações desde a virada do ano unificou as alíquotas de cálculo do IR de todos os fundos de investimento, da renda fixa à renda variável. A padronização, pela adoção de alíquota única, possibilitou a ampliação do sistema de compensação de perdas nos fundos. O expediente, antes limitado a fundos de mesma família, foi estendido a todos os fundos, desde que mantidos em uma mesma instituição.Um aplicador que resgatou um investimento em ações com perda de R$ 1 mil, por exemplo, poderá deixar de recolher o IR sobre o rendimento que obtiver em outro fundo - renda fixa, multimercado, cambial ou qualquer outro - que tenha na mesma instituição até que a rentabilidade nesses fundos empate com o prejuízo com as ações.Uma analista da Associação Nacional das Instituições do Mercado Aberto (Andima) explica, no entanto, que a perda no mercado financeiro se materializa apenas quando o investidor faz o resgate das cotas com o valor desvalorizado. Enquanto não houver o saque das cotas, ainda que depreciadas, o investidor não poderá fazer compensação alguma.Anteriormente, com a vigência de alíquotas distintas para a renda fixa e renda variável, a compensação estava restrita apenas às perdas de fundos da mesma família. A ampliação dessa possibilidade pelo artigo 4.° da Instrução Normativa n.° 119 de 10 de janeiro, da Receita Federal, deve levar os investidores a concentrar os fundos em um mesmo banco, prevê a analista.Alguns bancos, contudo, ainda não estão preparados operacionalmente para fazer essa compensação. As perdas devem ser registradas pelo banco com o CPF do aplicador, que deve fazer um acompanhamento mais atento dos extratos mensais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.