'Compensação’ fragiliza setores, dizem analistas

Medidas do governo para minimizar parte do impacto negativo nas contas públicas do subsídio ao diesel devem causar problemas a outros setores

Douglas Gavras, O Estado de S.Paulo

01 Junho 2018 | 05h00

Na avaliação de especialistas ouvidos pelo Estado, as medidas do governo para minimizar parte do impacto negativo nas contas públicas do subsídio ao diesel devem causar problemas a outros setores e fragilizar a exportação de manufaturados. 

“Se o governo tira de um lado para colocar em outro, não há como garantir que haverá um reequilíbrio. Eles têm de rezar para dar certo, mas é o tipo de coisa que se faz quando não há opção e só resta torcer para que haja compensação na arrecadação”, diz o especialista em contas públicas Raul Velloso. 

Ele avalia que os benefícios concedidos aos caminhoneiros não vão conseguir reverter o que foi feito no governo anterior. “É uma esmola. Houve investimento exagerado na compra de caminhões, pouco antes da recessão, que deixou os motoristas em dificuldades. Quando o governo age mal, obriga o setor privado a tomar decisões anormais. O que o Planalto precisa fazer é gerar condições para acelerar a recuperação da economia, não fazer puxadinhos.”

Já o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, teme que as mudanças nos benefícios a exportadores prejudiquem o comércio de manufaturados brasileiros. “Essa decisão do governo faz com que o Brasil se afaste mais das cadeias globais. O governo deixou claro que a exportação de manufaturados não é uma prioridade.” 

Ele lembra que o fim da desoneração da folha de pagamento de alguns setores aumenta os custos de produção e torna as empresas menos competitivas no exterior. 

Mais conteúdo sobre:
desoneração da folha imposto imposto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.