Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Compra com cartão no exterior poderá ser paga com câmbio do dia

Brasileiros terão a chance de escolher, na data da compra, se a fatura trará o valor da transação na moeda estrangeira ou em reais

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2016 | 18h36

O risco de usar o cartão de crédito no exterior e ter uma surpresa com o dólar no fim do mês pode estar com os dias contados. Brasileiros que usam o dinheiro de plástico em outros países terão a chance de escolher, na data da compra, se a fatura trará o valor da transação na moeda estrangeira ou em reais.

O Banco Central publicou nesta quarta-feira, 23, circular que alterou a regulamentação quanto à conversão, para reais, de gastos realizados em moeda estrangeira por meio de cartões de crédito internacionais. A principal mudança é que, a partir de agora, os emissores de cartões poderão oferecer ao cliente a possibilidade de pagamento da fatura pelo valor equivalente, em reais, da data em que cada gasto em moeda estrangeira foi feito. Antes, a conversão era feita apenas com base na data de pagamento da fatura. Essa opção permanece, conforme a circular.

Se seguir o modelo usado em outros países, a máquina de leitura do cartão de crédito dará a opção de o cliente pagar a compra na moeda estrangeira ou o valor correspondente em reais, de acordo com a conversão daquele dia. Se escolher pagar em moeda estrangeira, nada muda e o cliente só saberá o câmbio efetivo na data do pagamento da fatura.

A mudança traz mais previsibilidade para o turista. O viajante passa a saber na data da compra o valor exato que vai pagar pelo produto ou serviço em reais. A novidade é especialmente interessante em momentos de grande sobe e desce nas cotações do dólar.

Durante o mês de novembro, por exemplo, o dólar oscilou da mínima de R$ 3,17 à máxima de R$ 3,44. Para um cliente que gastou o equivalente a US$ 1.000 no exterior, isso quer dizer que o pagamento da fatura em reais poderia variar até R$ 270 em poucos dias. Se optar pelos reais logo na realização da compra, não haverá esse risco de pagar mais porque o custo ficará "travado" em reais.

Pela regra atual, o usuário do cartão de crédito no exterior fica exposto a essa variação cambial - que pode aumentar ou reduzir o valor pago em reais - até a data do fechamento da fatura.

Com a nova regra, no entanto, se o cliente optar pelo pagamento na moeda brasileira e o dólar ficar mais barato entre a data da compra e a fatura, o consumidor deixa de ganhar a variação cambial.

Pela mesma circular, o BC ampliou as formas de pagamento para aquisição de bens e serviços no exterior por meio de empresas que prestam serviço de pagamento internacional de comércio eletrônico. "Anteriormente, o único meio permitido para tais pagamentos era o cartão de uso internacional", informou o BC por meio de nota. "Agora, a transferência bancária e o cartão de uso doméstico ou internacional podem ser usados para esse fim".

Mais conteúdo sobre:
Banco Central

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.