finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Compra de ativos vai continuar, garante Yellen

Em carta enviada a parlamentar, indicada à presidência do Fed (BC americano) diz que política monetária continuará expansionista por muito tempo

WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2013 | 02h17

A política monetária dos Estados Unidos provavelmente continuará expansionista por muito tempo mesmo depois que for atingido o patamar de desemprego ou inflação usado como referência para elevação dos juros pelo Federal Reserve, disse a vice-presidente do banco central norte-americano, Janet Yellen, em carta a uma parlamentar dos EUA.

Yellen também afirmou que o patamar de desemprego não é um gatilho para a política monetária do Fed.

As declarações vieram em resposta a uma questão escrita da senadora democrata de Massachusetts Elizabeth Warren, feita após a sabatina de Yellen, indicada para comandar o Fed, no Comitê Bancário do Senado na semana passada.

"A política monetária deve continuar altamente expansionista muito depois dos patamares econômicos para a taxa de juros serem atingidos", disse ela em resposta escrita. Warren perguntou em sua carta se seria útil reduzir a meta para a taxa de desemprego do Fed.

Yellen, indicada pelo presidente Barack Obama para substituir o atual presidente do Fed, Ben Bernanke, ao fim do mandato em 31 de janeiro, será a primeira mulher a presidir o Fed. Espera-se que ela seja confirmada com relativa tranquilidade pelo Senado.

O Fed tem prometido manter as taxas de juros quase zeradas até que a taxa de desemprego dos EUA caia a 6,5%, contanto que a perspectiva para a inflação continue abaixo de 2,5%. A taxa de desemprego estava em outubro a 7,3%.

"Também é importante destacar que os patamares não são gatilhos - isto é, uma vez que o patamar for atingido, o comitê (de política monetária do Fed) não vai necessariamente elevar a taxa de juros imediatamente", disse Yellen.

As respostas de Yellen seguem o tom de declarações recentes de Bernanke e do comunicado de outubro divulgado após o Fed decidir manter o ritmo de compra de títulos em US$ 85 bilhões mensais.

O Comitê Bancário do Senado, que avalia sua indicação ao posto antes do plenário do Senado, votará sobre o assunto na quinta-feira. O partido Democrata, de Obama, tem 12 dos 22 assentos no comitê e controla 55 dos 100 votos no Senado.

A indicação deve proceder de forma tranquila ao plenário do Senado, onde deve receber apoio bipartidário suficiente para assegurar os 60 votos para assumir o cargo / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.