Compra de debênture da Petrobrás até sexta

A Petrobras reservou R$ 50 milhões dos R$ 775 milhões em debêntures para serem vendidas a pessoas físicas até 1º de novembro. Os investidores vão poder comprar os papéis nas agências do Itaú, ABN Amro, Unibanco, Bradesco e Banco do Brasil, os bancos que coordenaram a operação. Essa é a primeira vez que uma companhia faz uma operação deste tipo voltada para o pequeno investidor. "Seria menos custoso para Petrobras vender fora das agências, mas nosso objetivo é consolidar o mercado secundário e para isso é preciso educar o investidor", informou o diretor financeiro da Petrobras, João Nogueira Batista. Segundo a Petrobras, caso a demanda supere o total de papéis ofertados, os pedidos serão atendidos respeitando-se a ordem cronológica em que foram efetivados. As instituições coordenadoras devolverão aos investidores os recursos depositados em excesso, no prazo máximo de cinco dias úteis, sem adição de juros ou correção monetária e deduzida a quantia relativa à CPMF. Na hipótese dos pedidos de reserva ficarem menores ou iguais ao total de debêntures ofertadas, não haverá rateio, sendo todos atendidos em 100%. As eventuais sobras no lote ofertado a esse público serão subscritas pelos coordenadores da oferta. As debêntures têm vencimento de oito anos e serão corrigidas pelo IGP-M, mais juros de 10,30% ao ano. Para todos os fins, a data oficial da emissão é 1 de outubro de 2002. Riscos da aplicaçãoO aviso da Petrobras sobre sua colocação de R$ 775 milhões em debêntures simples, publicado hoje nos jornais, trouxe um alerta aos interessados. A empresa destaca que, antes de tomar a decisão sobre a compra dos papéis, "os investidores devem considerar cuidadosamente todas as informações disponíveis no prospecto preliminar, em particular, avaliar os fatores de risco aplicáveis à Petrobras e referentes ao investimento nas debêntures". O documento informa também que, na data do início de distribuição, os bancos coordenadores - Itaú, ABN Amro, Unibanco, Bradesco e Banco do Brasil - confirmarão o atendimento dos pedidos de reserva e entregarão, a cada investidor não-institucional, o número de debêntures correspondente à divisão entre o valor depositado e o valor nominal unitário dos títulos, acrescido da remuneração calculada desde a data de emissão até a da efetiva subscrição. Caso tal divisão resulte em fração de debênture, a diferença entre o valor depositado e o montante correspondente ao número inteiro de títulos será devolvido ao investidor não-institucional pelo coordenador que acatou o pedido de reserva. O reembolso, sem juros ou correção monetária e deduzido da CPMF, ocorrerá em até cinco dias úteis após o início da distribuição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.