Compra do ABN pelo Santander será analisada pelo Cade na 4ª

Conselho vai julgar apenas o impacto da fusão da parte não financeira do negócio entre os bancos

Isabel Sobral, da Agência Estado,

08 de outubro de 2007 | 16h38

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que se reunirá nesta quarta-feira, 10, em sessão de julgamentos, tem na pauta a análise da possível aquisição do holandês ABN Amro Real pelo consórcio de bancos formado pelo Santander, Fortis e Royal Bank. As chances de a operação ser acertada aumentaram neste final de semana após o banco inglês Barclays anunciar que desistiu de comprar a instituição holandesa. O que estará em julgamento pelos conselheiros é o impacto concorrencial da fusão da parte não financeira do negócio entre o consórcio e o ABN Amro. Ou seja, serão examinadas as partes do negócio que envolvam as operações com cartões de crédito, corretagem e distribuição de títulos e valores mobiliários, corretagem de seguros (de vida, de automóveis, de patrimônio, etc) e gestão de recursos de terceiros. A parte financeira da operação, que envolve intermediação financeira, foi submetida apenas ao crivo do Banco Central. A apresentação da fusão ao sistema brasileiro de defesa da concorrência foi feita previamente à conclusão do negócio, no dia 24 de agosto deste ano. No início de setembro, uma turma do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª. Região julgou que é competência do Cade analisar o mérito concorrencial de fusões bancárias também na parte não financeira.  Também de forma prévia, o consórcio de bancos submeteu a possível aquisição à análise dos órgãos de defesa da concorrência de outros nove países: Estados Unidos, União Européia, Argentina, México, Rússia, Suíça, Taiwan, Japão e Turquia. Americanas.com Também nesta quarta o Cade deve julgar a fusão Americanas.com e Submarino, realizada no final do ano passado. A Secretaria de Direito Econômico (SDE) e a Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE) recomendaram ao Cade a aprovação sem restrições da fusão das duas empresas de vendas de produtos pela internet.  A análise técnica concluiu que existe a possibilidade de entrada no mercado varejista à distância de novas empresas que já atuam no varejo tradicional. E isso limita a probabilidade de exercício de poder de mercado por parte da nova empresa (B2W-Companhia Global de Varejo) que surgiu a partir da fusão. A sessão do Cade nesta quarta começa às 10h.

Tudo o que sabemos sobre:
ABNSantander

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.