Compras de viagem requerem cuidados

Quem costuma fazer compras nas viagens precisa tomar alguns cuidados para evitar surpresas desagradáveis ao voltar para casa. É comum que o turista descubra, somente quando retorna da viagem, que os produtos adquiridos apresentam problemas ou defeitos de fabricação. O Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo do Estado, dá orientações sobre os cuidados e medidas a serem tomados.Em alguns casos, é quase impossível voltar ao local onde se comprou a mercadoria para reivindicar a troca do produto ou a devolução do dinheiro. "Imagine a situação de uma pessoa que comprou uma peça de artesanato em uma feira de rua em Fortaleza", exemplifica a assistente de direção do Procon, Edila de Araújo. "Seria muito difícil o turista voltar até lá apenas para reclamar". Nesses casos, portanto, a melhor saída é certificar-se da qualidade do produto no próprio local, principalmente se for um eletrodoméstico. Porém, caso o consumidor se esqueça desses cuidados e compre uma mercadoria com defeito, ainda existe a possibilidade de reclamação com o fabricante, já que o código de defesa do consumidor prevê garantia de 90 dias para produtos duráveis, como carros e eletrodomésticos. Os não-duráveis, como alimentos e produtos de higiene pessoal, têm garantia de até 30 dias.No caso de roupas, a assistente de direção do Procon orienta aos turistas que verifiquem se as costuras têm bom acabamento e se o tecido não está manchado. "Pode parecer cautela excessiva, mas é bom que essa consulta seja feita em lugares bem iluminados, para evitar enganos", completa Edila de Araújo. Peças de artesanato e enfeites devem ser transportados em lugares seguros e nos quais não haja possibilidade de danificação. "Se o defeito decorre de transporte inadequado, a responsabilidade é do consumidor", completa.Cuidados específicos com os produtos devem constar da embalagem ou precisam ser informados pelo vendedor. "Mas é sempre bom perguntar, por exemplo, qual a voltagem dos aparelhos elétricos, que varia dentro do Brasil, e se as roupas necessitam de cuidados especiais de limpeza". Outra precaução quase sempre esquecida pelos turistas é que peçam a nota fiscal das mercadorias adquiridas, apesar de o mercado informal - que inclui camêlos e barracas - geralmente não dispor de nenhum tipo de recibo. No caso de qualquer problema, os consumidores podem procurar os órgãos locais de defesa do consumidor. O Procon-SP não fará plantão especial nos dia de carnaval. Mas no sábado, dia 24, os postos de atendimento do Poupatempo na capital paulista - Itaquera (metrô Corinthians-Itaquera), Sé (Praça do Carmo s/nº ) e Santo Amaro (Rua Amador Bueno 176/258) - ainda funcionam.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.