Compras pelo cartão de crédito crescem

Compras no crediário estão perdendo espaço para o parcelamento no cartão de crédito. De acordo com apuração de Nívea Vargas, essa é uma das conclusões dos estudo realizado pelo Provar - Programa de Administração de Varejo da FEA/USP - com o objetivo de acompanhar a evolução das intenções de compra dos consumidores da cidade de São Paulo. Segundo o estudo, uma provável explicação para essa migração para os financiamentos no cartão de crédito é a possibilidade de parcelar as compras sem a cobrança de juros.Com exceção do setor de automóveis, onde já não havia intenção de consumo através dos financiamentos e essa tendência se manteve, todos os outros setores apresentaram uma queda significativa na intenção de realizar compras no crediário. Também foram verificadas tendências de alongamento nos prazos de financiamentos, o que pode estimular o consumo juntamente com o cenário econômico favorável do País.Dados favoráveis para o crescimento do créditoPara a análise do setor varejista, foram consideradas a conjuntura econômica do País para avaliar os fatores que podem ter influenciado as vendas e possibilidades de projeções das expectativas de consumo. O cenário é de crescimento econômico, em torno de 3% a 4%, com inflação controlada. O reflexo dessa situação está nas consultas ao SPC, que cresceram 3,2% em agosto de 2000 em relação ao mesmo mês do ano passado e o Telecheque, que registrou um aumento de 11%, 1% no mesmo período. Esses dados são o efeito direto do crescimento do consumo, proporcionado principalmente pela queda das taxas de juros e pelo aumento do volume de crédito.Mastercard confirma resultados do estudoDados da MasterCard International confirmam essa tendência. A empresa divulgou que durante o primeiro semestre de 2000 atingiu U$ 406 bilhões nas atividades de compra e saques de cartões de crédito, 23% a mais do que o primeiro semestre de 1999. Este aumento reflete forte crescimento de programas de crédito e a popularidade dos cartões de crédito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.