Compras: precaução evita aborrecimentos

Na correria das compras de Natal, o consumidor esquece de medidas que garantem uma maior segurança, em caso de problemas tanto com os produtos ou com o pagamento. Técnicos do Procon - órgão de defesa do consumidor - lembram que nessa época lojistas e vendedores prometem tudo para poder vender. "Não custa nada garantir por escrito o prometido", adverte a técnica do órgão Cecília Pellotta Rodrigues. Veja algumas medidas fundamentais:Pedir para o vendedor escrever na nota fiscal que o produto pode ser trocado. O consumidor tem até 90 dias para esse prazo. O fornecedor tem até 30 dias para sanar o problema.Nas compras com cheques pré-datados, pedir ao vendedor para escrever na nota fiscal o número do cheque, banco e as datas previstas.Testar o produto antes de presentear. Em todas as lojas é preciso ter um sempre de amostra. (Não esqueça se for presentear um criança com brinquedo que depende de pilhas de comprá-las para não ter uma surpresa na hora da ceia).Os produtos adquiridos com cartão têm de custar o mesmo que à vista. Dicas para compras pela Internet Vale destacar que as regras para empresas internacionais são as do país de origem e não as brasileiras. Por isso, o consumidor não pode depois recorrer ao Procon ou Idec. Sempre comprar de um site conhecido e de preferência que tenha a recomendação de alguém que já tenha usado o serviço. O consumidor pode desistir do pedido até sete dias da data da compra. Depois da entrega da mercadoria também tem mais sete dias, em caso de decepção.

Agencia Estado,

21 de dezembro de 2000 | 10h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.