Compre já, pague depois

Compre já, pague depois

O crédito continua tirando o atraso no Brasil. Há apenas dez anos, não era mais do que o equivalente a 28% do PIB. Hoje está bem próximo dos 50% (veja o Confira).

, O Estadao de S.Paulo

24 de março de 2010 | 00h00

Ainda tem muito para crescer quando se compara com o que acontece em outros países: números de dezembro de 2008 indicam que era de 187%, nos Estados Unidos; de 155%, na Inglaterra; de 123%, na China; de 88%, na África do Sul; e de 78%, na Índia.

Em fevereiro, o crédito do setor financeiro se expandiu a 16,8% em 12 meses. Num mercado global em recessão, que ainda sofre de trombose no fluxo do crédito, é um dado a comemorar.

Acima ficou dito que se trata apenas do crédito proporcionado pelo setor financeiro porque há outras formas de crédito na economia sobre as quais o Banco Central não tem controle. Há o crédito entre amigos, empréstimos de pai para filho, prazo concedido pelo vendedor para liquidação da nota de compra, crédito entre fornecedor e cliente, cheque pré-datado e até o velho fiado, sobre o qual alguns armazéns do interior deixavam um aviso bem visível: "Fiado, nem pra cunhado."

O fator de longo prazo que mais vem ajudando a expansão do crédito no Brasil é o razoável nível de arrumação das contas públicas. No tempo em que o Tesouro se lançava às escassas cisternas de água doce para fechar suas contas deficitárias, sobrava pouco para financiar a produção e o consumo. Foi também o que causou o atrofiamento dos bancos brasileiros nas operações de crédito. Se tinham um grande tomador no atacado (por meio da colocação de títulos do Tesouro Nacional), que pagava juros altos sem custos de administração das garantias, por que os bancos teriam de se esfalfar em milhares de operações miúdas, sujeitas a inadimplência?

Esse é um exemplo convincente de como as finanças públicas ajustadas contribuem para o crescimento econômico. Quanto mais seiva o governo deixa para a economia, mais a produção se expande, mais empregos são criados e tudo o mais.

No gráfico dá para ter uma boa ideia da forte expansão do crédito habitacional. Em grande parte, isso é consequência da maior previsibilidade da economia brasileira, pela peculiaridade do crédito hipotecário. Em geral, o banco é obrigado a tomar dinheiro no curto prazo para re-emprestar ao comprador da casa própria. É um dinheiro que retorna apenas em 10, 15 ou 20 anos, em suaves prestações mensais.

Contribuíram decisivamente para a expansão do crédito habitacional dois fatores: a adoção do sistema de alienação fiduciária, que facilitou a retomada pelo banco do imóvel cujo comprador deixou de pagar; e o instituto do patrimônio de afetação, que separou finanças da construtora e finanças da obra, de modo que, em caso de falência da construtora, a construção do imóvel pode ser retomada por outra empresa.

A expansão do crédito habitacional é um dos fatores que estão provocando escassez de mão de obra especializada para a área. E isso vem levando muita gente a se perguntar se teremos no Brasil a mesma bolha imobiliária que provocou a crise global a partir dos Estados Unidos. Não há o que temer. O crédito habitacional ainda está começando por aqui e está muito longe de criar bolhas no País.

CONFIRA

Avançando - O gráfico acima mostra como o crédito vai subindo no Brasil.

Vermelhou - Déficit comercial não é marca para comemorar. Mas o primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, avisou ontem que está feliz por anunciar que a balança comercial de março apresentará déficit. (Já está em US$ 8 bilhões.) Falta saber se os americanos engolem essa e param de pressionar o governo de Pequim para valorizar o yuan, a moeda chinesa, cujo baixo valor é responsável por um superávit comercial de US$ 196,1 bilhões no ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.