Compre um imóvel com desconto em Ibiza e vire espanhol

Governo dá visto de residência para quem comprar imóvel com preço a partir de R$ 1,5 milhão

EFE,

11 de agosto de 2013 | 15h38

MADRI - O mercado imobiliário espanhol de luxo transformou-se em oportunidade para clientes mais endinheirados, especialmente estrangeiros e fundos de investimento seduzidos pela melhor relação de qualidade e preço decorrente da crise, com quedas de preço de 20% em media.

A vantagens para estrangeiros, além do desconto, é a nova lei aprovada pelo governo espanhol que permite obtenção de visto de residência para proprietários de imóveis de pelo menos US$ 660 mil, ou o equivalente a R$ 1,5 milhão.

Estrangeiros. Cerca de 85% dos compradores que elegem algumas das propriedades mais exclusivas da Espanha - basicamente estrangeiros - não precisam de empréstimos hipotecários. Eles pagam à vista.  E 15% recorrem a financiamento mais por razões fiscais do que por necessidade, segundo Ignacio Fiter, da imobiliária de luxo Engel & Völkers.

As áreas onde as vendas de imóveis de luxo mais cresceram são as ilhas de Ibiza e Mallorca, no Mediterrâneo, e Puerto Banús, na Costa do Sol, no Sudeste.

O fato de maior parte dos investidores (80%) serem estrangeiros se explica, segundo o especialista Jordi Puig, pelo fato de os espenhóis continuarem sendo muito afetados pela crise ou ainda se mostrarem muito prudentes.

Quem mais compra. Por nacionalidade, a imobiliária Knight Frank relaciona como mais frequentes os compradores dos Estados Unidos, México, Venezuela e Colômbia.

Os compradores britânicos e irlandeses, que formavam o mais tradiconal pilar da demanda externa em zonas como Marbella, já não têm a força que tiveram no passado.

Ainda que a sombra da crise não tenha se dissipado, os especialistas chamam a atenção para o crescimento da procura por imóveis comerciais e residenciais por parte dos fundos de investimentos, basicamente alemães, interessados em grandes promoções para aplicar dinheiro a longo prazo.

Tudo o que sabemos sobre:
ImóveisEspanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.