AP-16/2/2011
AP-16/2/2011

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Computador vence humanos na televisão

Watson, da IBM, competiu com dois campeões no programa de TV ''Jeopardy!'', respondendo a perguntas de conhecimento geral

John Markoff, The New York Times, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2011 | 00h00

No final, no programa Jeopardy!, os humanos renderam-se docilmente.

Diante da possibilidade segura de derrota para um computador IBM do tamanho de um cômodo, na noite de quarta-feira, Ken Jennings, famoso por ganhar 74 sessões seguidas no programa de perguntas e respostas da TV, admitiu o óbvio. "Saúdo os computadores, os nossos senhores do mal", escreveu em sua tela de vídeo, repetindo uma frase dos Simpsons.

De agora em diante, se a resposta for "O computador campeão no Jeopardy!", a pergunta será: "O que é o Watson?" Para a IBM, o confronto não foi apenas um artifício muito bem divulgado e um prêmio de US$ 1 milhão, mas a prova de que a companhia deu um grande passo rumo a um mundo em que as máquinas inteligentes compreenderão e responderão aos seres humanos e, talvez inevitavelmente, os substituirão em parte.

O Watson, especificamente, é uma "máquina que responde perguntas" pelas quais os pesquisadores da inteligência artificial lutaram durante dezenas de anos - um computador semelhante ao de Star Trek, que compreende as perguntas feitas numa linguagem simples e as responde.

O Watson mostrou que é imperfeito, mas os pesquisadores da IBM e de outras companhias já estão criando usos para as tecnologias do Watson que poderão influir significativamente na prática médica e na compra de produtos pelos consumidores.

"Há 20 anos, quem poderia imaginar que isso seria possível?" disse Edward Feigenbaum, especialista em ciência da computação da Stanford University e pioneiro no ramo.

No projeto Jeopardy!, os pesquisadores da IBM tinham um jogo que exige não apenas uma memória enciclopédica, mas a capacidade de destrinchar frases contorcidas e pouco claras, uma certa dose de sorte e rapidez e estratégia ao apertar o botão de resposta (que era acionado pelo computador mecanicamente, assim como fazem os humanos).

A competição foi gravada em janeiro no Laboratório de Pesquisa T.J. Watson, na sede da IBM, durante três noites. A pontuação é medida em dólares e, no final, Watson conseguiu US$ 77.147, para US$ 24 mil de Jennings e US$ 21.600 de Rutter.

Apesar da capacidade intelectual, Watson não é absolutamente onisciente. Na final de terça-feira, a categoria era cidades dos EUA e a dica: "Seu maior aeroporto tem o nome de um herói da Segunda Guerra Mundial; o segundo maior, o nome de uma batalha da Segunda Guerra Mundial". Watson provocou risadas do público da televisão ao responder: "O que é Toronto?????"

Watson foi criado com tecnologias que já estão no mercado, e não acessou a internet para responder às questões.

O resultado da competição evocou o episódio em que o computador Deep Blue, também da IBM, venceu no xadrez o campeão Garry Kasparov, em 1997. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.