Comunicação para o investidor fica mais disputada

A economia brasileira - sexta maior do mundo - é pelo menos 30% maior que a indiana em se tratando de Produto Interno Bruto (PIB). Mas em relação ao mercado financeiro, a situação é inversa: o Brasil é dez vezes menor que a Índia em número de empresas de capital aberto. "Temos pouco mais de 500 empresas listadas em bolsa. Na Índia, são mais de 5 mil", diz Flávio Pestana, principal executivo da CDN Relações com Investidores, empresa da CDN Comunicação Corporativa, que inicia suas atividades hoje.

O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2012 | 03h06

"A diferença entre Brasil e Índia mostra o quanto o mercado financeiro nacional ainda pode crescer. É nisso que estamos apostando", disse Pestana.

A comunicação voltada para relações com investidores era o único campo em que a CDN ainda não atuava, segundo o presidente e fundador do Grupo CDN, João Rodarte. "Temos uma cultura na área de comunicação, em gestão de crise, relações com a mídia, relações institucionais, comunicação do setor público, análise e pesquisa, comunicação digital. Agora vamos completar nossa atuação com mais esse serviço", disse Rodarte. Segundo ele, a CDN RI deve responder, até 2017, por um quarto do faturamento anual do grupo, que foi de R$ 80 milhões em 2011.

Panorama. O segmento de relações com investidores, segundo ele, movimenta cerca de R$ 60 milhões ao ano. As empresas que hoje concentram a maior parte desse mercado são a MZ (do grupo @titude), a Financial Investor Relations Brasil (Firb), e a The Media Group, segundo dados do Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (Ibri). "Mas muitas empresas concentram toda a comunicação de RI internamente", lembra Pestana.

A divulgação dos resultados das companhias também representa um campo de oportunidades para empresas de RI. Conforme a pesquisa mais recente do Ibri sobre o assunto, 45% delas limitam a divulgação de resultados a poucos meios, deixando de usar, por exemplo, correio eletrônico, teleconferência, reunião pública, comunicados à imprensa e rádio difusão. Para disputar esse mercado, a CDN fez um investimento de R$ 2 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.