finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

'Comunicação vive convergência de áreas'

A evolução tecnológica tem feito com que as universidades revejam a grade curricular de vários cursos. Na Faculdade Cantareira, a matriz curricular de publicidade passou por adaptações. "Ao longo da história do curso tivemos marcos de mudanças em 2008 e 2011, quando houve alteração de disciplinas. Agora em 2013, alteramos a forma de evolução do curso. As disciplinas foram mantidas, mas organizadas em núcleos para privilegiar as áreas de tecnologia e marketing", afirma a coordenadora, Sandra Botelho (foto abaixo).

CRIS OLIVETTE, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2013 | 02h19

Ela diz que o objetivo do curso é fazer com que o aluno compreenda e incorpore todas as ferramentas de comunicação, privilegiando a integração entre elas. "O mercado precisa de um profissional eclético, que saiba usar as tecnologias para atender da melhor forma as necessidades dos clientes."

Sandra diz que a tendência atual de mercado busca um profissional de publicidade que também tenha noções de assessoria de imprensa, entenda o papel de um relações públicas e valorize a relação interpessoal. "Percebo que o mesmo acontece nos demais cursos de comunicação. Hoje, a publicidade também é importante para os jornalistas, que precisam entender de marketing e de relações interpessoais. As mídias digitais formam uma convergência para todos esses profissionais."

O estudante do quarto semestre de publicidade da Faculdade Cantareira, Jakson Alves, conta que quando concluiu o sexto semestre de jornalismo, trancou a matrícula e foi fazer publicidade. "Notei que não tinha como continuar só com a formação em jornalismo. Percebi que uma formação estava ligada à outra. Não teria como viver só com uma delas."

A urgência de Alves para adquirir mais conhecimento está relacionada à demanda de trabalho no site audienciaetv.com, criado por ele para cobrir a área de comunicação e entretenimento. "Quando lancei o site, a formação que estava tendo em jornalismo era suficiente. Mas quando arrumei patrocinadores como Peixe Urbano e Submarino resolvi aprender a usar software gráfico e de edição de fotografia, além de recursos de marketing", diz.

O estudante avalia que daqui para a frente, o profissional de jornalismo não vai sobreviver sem a publicidade e vice versa. "Cada vez mais as duas áreas vão estar interligadas."

A professora afirma que a comunicação vive um momento de convergência das áreas. "Atualmente existe um diálogo maior entre as universidades e o mercado de trabalho. Isso reflete de forma positiva na formação dos estudantes. Por isso, adaptamos a graduação para atender a demanda mercadológica, que precisa de um profissional generalista, que integre conhecimentos das áreas de relações públicas, publicidade e jornalismo."

Sandra afirma que o aluno de publicidade deve ter boa base da área de humanidades. "Ter conhecimento de história das artes, sociologia e comportamento do consumidor, é importante para dar a ele uma visão mais crítica." Ela afirma ainda, que também é importante ter visão estratégica, domínio de marketing e pesquisa, além de saber usar as ferramentas tecnológicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.