Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Comunicado do BC deixa em aberto novos cortes. Não tão substanciais

Governo ressalta que diretoria do Banco Central está em ?sintonia? com as ações necessárias para enfrentar a crise

Beatriz Abreu, O Estadao de S.Paulo

12 de março de 2009 | 00h00

A forte desaceleração da economia no último trimestre do ano passado pesou decisivamente na decisão do Banco Central de cortar a taxa Selic em 1,5 ponto porcentual, mas não deve sustentar apostas de novos cortes dessa magnitude nos próximos meses. O governo definiu a posição da diretoria do Banco Central como uma demonstração de "sintonia" com as ações para enfrentar a crise e o "melhor antídoto" para reverter as expectativas pessimistas alimentadas pela queda de 3,6% da atividade econômica no último trimestre do ano passado. "Quando o Banco Central toma uma atitude como essa mostra um afinamento total com o governo", disse uma fonte do Planalto. A sintonia parece tão ajustada que até mesmo a interpretação do comunicado do Copom ganha coerência quando o assunto é a forma de posicionamento da diretoria do BC. "Foi uma medida forte, sem dúvida. E o comunicado permite a leitura de que o Meirelles (Henrique Meirelles, presidente do Banco Central) está dizendo que não se sente obrigado a fazer cortes de 1,5 ponto porcentual mais uma vez", comentou essa fonte. No comunicado, o Banco Central reafirma que o foco da ação da política monetária é o controle da inflação. E deixou claro que o Copom vai acompanhar a evolução dos preços e os impactos dos cortes já realizados para avaliar o comportamento da meta de inflação, fixada em 4,5% para este ano."A leitura não pode ser outra", disse ainda o assessor ao se referir ao trecho do comunicado em que o BC afirma que "acompanhará a evolução da trajetória prospectiva para a inflação até a sua próxima reunião, levando em conta a magnitude e a rapidez do ajuste da taxa básica de juros já implementado e seus efeitos cumulativos, para então definir os próximos passos na sua estratégia de política monetária".O corte, que colocou a Selic em 11,25% ao ano, não chegou a surpreender o Palácio do Planalto. Os dados sobre o Produto Interno Bruto (PIB), divulgados na terça-feira pelo IBGE, vieram muito piores do que se esperava, e todos aguardavam a posição do BC.Ninguém desconhecia que a tendência da diretoria do Banco Central era manter o ritmo de queda da taxa Selic em 1 ponto porcentual, o mesmo adotado na última reunião de janeiro deste ano. AUTONOMIA DO BCNão se trata, segundo um interlocutor de Lula, de uma interferência direta na autonomia do Banco Central. Mas é fato, também, que a conversa de Lula com o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anteontem à noite no Palácio do Planalto, deu o tom do grau da preocupação de Lula com as medidas para retirar o país da rota de uma recessão.Lula chamou Mantega e Meirelles ao Planalto para pedir explicações sobre o resultado do PIB e conversar sobre a conjuntura econômica, inclusive o cenário no qual a diretoria do BC discutiria o novo nível da taxa de juros. Ninguém revela o conteúdo da conversa, embora também não se negue que Lula sempre deixa passar nessas conversas "o clima e a sua percepção" sobre o que está acontecendo, bem como sobre o que poderia ser feito. Entre as fontes ouvidas, prevalece uma explicação simples: "Se o presidente Lula mandar o Meirelles baixar os juros e ele, Meirelles, não atender só resta ao presidente demiti-lo. Por isso, tudo é feito com sutileza."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.