Conab deve ter troca do comando na próxima semana

Governo troca presidente da Conab, que pertence à cota do PTB, em meio a escândalo de suspeita de fraude com subsídios

Denise Madueño / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2011 | 00h00

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) deverá trocar de comando na próxima semana com a saída do presidente Alexandre Franco de Aguiar e a entrada de Evangevaldo Moreira. A substituição faz parte do acerto entre a presidente Dilma Rousseff e os partidos que a apoiaram na última eleição. A Conab está na cota do PTB. A bancada federal fez campanha para Dilma, apesar de o presidente da legenda, Roberto Jefferson, ter apoiado oficialmente o ex-governador José Serra (PSDB).

Reportagem publicada ontem pelo Estado revelou que fiscais do Ministério da Agricultura descobriram "práticas fraudulentas" em operações de pagamento de bônus pelo governo a compradores de milho e informaram a Conab, vinculada ao Ministério da Agricultura, que continuou efetuando os pagamentos.

O líder do PTB na Câmara, Jovair Arantes (GO), afirmou que a substituição do presidente da Conab está acertada desde o ano passado, nas negociações do governo com os partidos da base.

Aguiar não tinha a indicação da bancada do partido. Diretor da Conab, ele chegou ao cargo, depois que o presidente do órgão, Wagner Rossi, virou ministro da Agricultura ainda no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Rossi foi mantido no cargo pela presidente Dilma Rousseff na cota do PMDB, a pedido do vice-presidente Michel Temer.

Aguiar, genro do ex-deputado Armando Abílio (PTB-PB), não era indicação da bancada, mas acabou obtendo o respaldo do partido quando assumiu o posto.

Com a mudança de governo e com novos interlocutores partidários, a bancada indicou um novo nome para o cargo. Jovair Arantes afirmou ontem desconhecer as denúncias de "práticas fraudulentas" em operações de pagamento de bônus pelo governo e descartou relação da troca com as descobertas do esquema pelos fiscais do Ministério da Agricultura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.