carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Conab gastará R$ 463 mi na compra de produtos agrícolas

Aplicação no mês de agosto será para compra de ítens como milho e açúcar e sustentará preços no mercado

Fabíola Salvador, da Agência Estado,

12 de agosto de 2009 | 16h58

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) vai aplicar neste mês R$ 463,8 milhões na compra de milho, açúcar, arroz, feijão, sorgo, trigo e sisal de produtores de diversos estados. Os recursos são da Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM) e foram aprovados no final de julho, em reunião com representantes dos ministérios da Agricultura e da Fazenda, Conab e Banco do Brasil.

 

A assessoria de imprensa da Conab informou que esse montante já estava previsto no orçamento da estatal para as políticas de apoio à comercialização. O ministério negocia com a área econômica do governo a liberação de mais recursos para a política de sustentação de preços. O orçamento para equalização de preços é de R$ 5,2 bilhões, sendo que desse total R$ 2,9 bilhões já foram comprometidos.

 

Do total que será liberado em agosto, R$ 352 milhões vão para contratos de opção de milho e arroz e R$ 111,8 milhões para compra de outros produtos, por meio de Aquisições do Governo Federal (AGF). A maior parte é destinada a comercialização de cerca de 1,496 milhão de toneladas de milho, sendo R$ 324 milhões de contratos de opção e R$ 80 milhões de AGF. As operações vão beneficiar os estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Paraná, Minas Gerais, Bahia, Tocantins e Rondônia.

 

Os mecanismos da PGPM são utilizados pelo governo sempre que ocorre queda nos preços durante a safra. Pelo sistema de Contrato de Opção, por exemplo, o participante tem a venda do produto garantida, por um preço fixado no contrato. Ao final do período contratado, ele pode optar por negociar o grão com a Conab ou buscar melhor preço no mercado.

Tudo o que sabemos sobre:
Conabprodutos agrícolasagosto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.