Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Conab: safra de arroz deve crescer 3,1% em 2013/14

A produção de arroz na safra 2013/14 deve alcançar 12,18 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 3,1% em relação ao resultado do período anterior (11,82 milhões de t), segundo o 10º levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado hoje.

TOMAS OKUDA, Agência Estado

09 de julho de 2014 | 10h57

Conforme a Conab, no Rio Grande do Sul, maior produtor do cereal do País, a expectativa é de que a colheita alcance 8,11 milhões de toneladas, ou mais 2,3% em relação à safra passada (7,93 milhões de t). "O acréscimo ocorreu em função da boa disponibilidade de água nos mananciais neste ano e aos preços do produto que superaram o custo de produção", diz a Conab.

Com relação à colheita gaúcha, já concluída, a Conab explica que foi observada uma pequena perda de produtividade no terço final da operação, em virtude da ocorrência de altas temperaturas que persistiram por vários dias e amplitude térmica entre o dia e a noite. Outro fator que contribuiu para a perda foi à área semeada fora do período ideal recomendado pela pesquisa.

A estatal acrescenta que o destaque da lavoura de arroz nesta safra ficou por conta do forte crescimento observado da área plantada na Região Centro-Oeste. "Foi a única região do País onde houve incrementos em todos os Estados", informa. Segundo a Conab, os estimulantes preços de algodão, soja e milho estão, desde o ano passado, criando uma demanda por área agricultável, que está sendo atendida por pastagens degradadas e antieconômicas na região. "Essas pastagens estão sendo reconvertidas para a produção de grãos, e o arroz é a lavoura que primeiro se apropria dessa mudança", esclarece.

Tudo o que sabemos sobre:
safra 201314Conabflash

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.