Concentração é danosa para a economia, diz professor

A economia brasileira ainda é muito fechada para o resto do mundo e a concentração empresarial promovida no País nos últimos anos - abençoada pelo governo - é danosa para a competição na economia. As avaliações são do professor de Estratégia do Insper Sérgio Lazarini, que diz estranhar a conclusão do levantamento do Departamento Econômico do Bradesco.

, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2010 | 00h00

"Se houve mesmo tanta concorrência, a tendência para os preços não seria de estabilidade (como têm apontado os índices de inflação divulgados recentemente), mas de queda", argumenta. Lazarini e outros professores da faculdade estão começando a fazer uma análise da concentração industrial no Brasil, com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A ideia, diz ele, é descobrir qual o porcentual de mercado das quatro maiores empresas dos principais setores econômicos. Os pesquisadores trabalham com a hipótese de aumento da concentração nos últimos anos. "Tivemos muitos casos de fusão/aquisição entre empresas grandes, como Sadia e Perdigão, Brasil Telecom e Oi, Aracruz e Votorantim Celulose (que criaram a Fibria), entre outras", diz Lazarini.

O professor reconhece que, do ponto de vista global, sobretudo a partir da China, houve uma pressão a favor da concorrência. "Setores tradicionais brasileiros, como o têxtil, foram duramente atingidos pelas importações de outros países", observa. "Mas o que temos são movimentos em sentidos contrários", afirma, citando a contradição entre essa questão externa e a tendência interna de concentração.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.